PORTAL DE TELECOM, INTERNET E TIC

Febraban Tech DMI

BC estuda a tokenização de depósitos do Real Digital

A tokenização dos depósitos em Real Digital vai possibilitar que o passivo passe para os bancos, viabilizando a sua liquidez.
BC estuda a tokenização de depósitos do Real Digital - Crédito: Febraban Tech
Fábio Araújo, coordenador do Real Digital no Banco Central – Crédito: Febraban Tech

Nos próximos anos, o Brasil, a exemplo do que deve ocorrer em outros países, passará a adotar o real digital, que será uma CBDC (Central Bank Digital Currency), as moedas digitais emitidas pelos bancos centrais de todo o mundo. Os testes do Real Digital deverão começar em 2023. O cronograma inicial previa os primeiros pilotos ainda em 2022, mas foi atrasado em função da greve dos funcionários do BC, que teve duração de quase dois meses.

O coordenador da iniciativa do real digital no Banco Central, Fabio Araújo, destacou, em painel do Febraban Tech, que CDBC ainda é um tema muito recente, mas que terá impacto positivo na vida das pessoas, com a oferta de novos serviços, de forma segura, e o acesso a ativos tokenizados, que poderão ser obtidos em um ambiente íntegro, no qual as pessoas terão familiaridade de operação.

Segundo ele, uma CDBC, do ponto de vista do Banco Central, é uma expressão digital do Real que, junto com uma infraestrutura apropriada, vai interconectar o sistema financeiro atual com os serviços financeiros que estão sendo desenvolvidos dentro da Web3, como os baseados em blockchain e nas novas tecnologias.

Impactos

Apesar dos benefícios que deve trazer à sociedade como um todo, Araújo reconhece que há uma preocupação com a desintermediação financeira que a CDBC traz, já que ela passa a ser passivo direto do Banco Central. “Assim como acontece com a nota de real, a moeda digital também será um passivo direto do BC. A diferença é que, quando alguém faz um depósito no banco, a nota de real deixa de ser um passivo do BC e passa a ser da instituição financeira que acolheu o depósito. Ela pode pegar esse dinheiro e emprestar para outra pessoa e, com isso, multiplicar a liquidez através dos mecanismos de crédito. O receio é que, por ser um passivo do BC, o banco deixe de ter essa flexibilidade”, explicou ele.

“Para se contrapor a esse cenário, o que o Banco Central tem em mente é que se possa tokenizar os depósitos bancários em uma wallet (carteira digital) custodiada pelo banco, em um passivo novamente do banco. Então você poderia usar uma CBDC, que é um passivo Banco Central, ou uma stablecoin que é um passivo do banco”, explicou.

“Com isso, o passivo não será do BC, mas do banco, que continuará com a possibilidade de multiplicação da liquidez e ainda terá acesso aos serviços que a Web3 trará, como os serviços de blockchain de finanças que estão sendo criados no ambiente de ativos digitais”, concluiu.

TEMAS RELACIONADOS

ARTIGOS SUGERIDOS



 

Chatbot com IA da Mundiale automatiza vendas dos ISPs em até 84%
ISPs ainda podem contar com envio automatizado de boleto com régua de cobrança para reduzir a inadimplência e com gerenciamento fim-a-fim.