Banco Central suspende pagamentos pelo WhatsApp


O Banco Central determinou hoje, 23, a suspensão do sistema de transferência de valores e pagamentos via WhatsApp, lançao no último dia 15. A ordem foi enviada à Visa e à Mastercard, que são parceiras do Facebook na iniciativa.

“A motivação do BC para a decisão é preservar um adequado ambiente competitivo, que assegure o funcionamento de um sistema de pagamentos interoperável, rápido, seguro, transparente, aberto e barato”, alega o banco.

PUBLICIDADE

Segundo o BC, a medida permitirá avaliar os riscos para o funcionamento do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) e verificar se o serviço segue as leis brasileiros.

“O eventual início ou continuidade das operações sem a prévia análise do Regulador poderia gerar danos irreparáveis ao SPB notadamente no que se refere à competição, eficiência e privacidade de dados”, acrescenta o banco.

Se Visa e Mastercard, que são nominalmente citados pelo BC, desobedecerem a suspensão, poderão arcar com multa e responder a processo administrativo.

O WhatsApp, por sua vez, espera esclarecer a questão. Segundo porta-voz, a ideia é apoiar totalmente o projeto de pagamentos instantâneos brasileiro. “Nosso objetivo é fornecer pagamentos digitais para todos os usuários do WhatsApp no Brasil, com um modelo aberto e trabalhando com parceiros locais e o Banco Central. Além disso, apoiamos o projeto PIX do Banco Central, e junto com nosso parceiros estamos comprometidos em integrar o PIX aos nossos sistemas quando estiver disponível”, diz.

A Visa emitiu nota na qual diz que vai obedecer às determinações. Mas ressalta que trabalha para inovar no sistema de pagamentos, e que novos meios digitais têm alto potencial. “Continuamos entusiasmados com o potencial de meios de pagamento inovadores e abertos. Manteremos nosso trabalho para criar soluções inovadoras que aceleram a adoção de pagamentos digitais, beneficiando indivíduos, empresas e economias em geral”, afirma.

Anterior Em comunicado, Huawei reafirma compromisso com o Brasil
Próximos Decreto que regula lei das teles traz ilegalidade no papel da Anatel, diz Intervozes