Baigorri quer regular remédios para venda da Oi móvel


Baigorri. Crédito: Divulgação
Crédito: Divulgação

O conselheiro da Anatel, Carlos Baigorri,  afirmou que enxerga os remédios, como aqueles usados para mediar a venda Oi Móvel para as três grandes operadoras, como provisórios. Uma versão mais aprofundada e completa desses remédios tem que ser incluída na própria regulação da agência, em vez de em forma de anuência prévia.

“Ao longo dos anos, a gente percebeu na agência que fazer regulamentação por meio de anuências prévias não é a forma mais ortodoxa e eficiente de se aplicar os remédios”, comentou no evento Teletime TEC hoje, 23.

Baigorri argumentou que, utilizando-se as anuências a Anatel, não se consegue modificá-las uma vez finalizado o processo de venda ou fusão. A possibilidade de alterar as regras se torna ainda mais relevante em um setor dinâmico como o de telecomunicações, acredita. Além disso, os processos não levam em consideração os outros players interessados no mercado. No caso da Oi Móvel, citado pelo conselheiro, os remédios visaram o compartilhamento da infraestrutura de rede de forma não discriminatória.

Outra expectativa de rede neutra da Anatel é a faixa de 700 MHz adquirida pela Winity no leilão 5G. Baigorri prevê que a entrante alugue a rede para players interessados. Conforme o conselheiro, a rede deverá focar, principalmente, nos pequenos provedores para aumentar sua mobilidade, já que outras faixas do leilão não oferecem abrangência de cobertura tão ampla.

 

PUBLICIDADE
Anterior Orlando Silva faz alterações na proposta do PL das Fake News
Próximos Abrintel acompanha aprovação da Lei das Antenas em 20 capitais