Azeredo critica reativação da Telebrás e defende atuação mais forte da Anatel


O senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) disse hoje que a reativação da Telebrás é um retrocesso da livre-concorrência, embora considere legítima a determinação de levar o acesso à internet por banda larga a todo o país. “O caminho é continuar no modelo atual, com uma atuação mais forte de Anatel na fiscalização dos preços cobrados pelas …

O senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) disse hoje que a reativação da Telebrás é um retrocesso da livre-concorrência, embora considere legítima a determinação de levar o acesso à internet por banda larga a todo o país. “O caminho é continuar no modelo atual, com uma atuação mais forte de Anatel na fiscalização dos preços cobrados pelas empresas e no incentivo a competição”, disse, em entrevista à Rádio Senado.

Segundo Azeredo, com o modelo de telecomunicações advindo com a privatização, o país alcança 180 milhões de celulares sem que tenha necessidade de investir recursos públicos. Já a recriação da Telebrás, ressalta, necessitará de verba do Tesouro para capitalizar a empresa, que irá funcionar como gerenciadora da rede de fibras óticas das empresas públicas, para atuar basicamente no atacado.

A reativação da Telebrás e o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) serão debatidos em audiência pública que a Comissão de Ciência e Tecnologia promove nesta quarta-feira (26). Foram convidados para discutir o assunto o presidente da Telebrás, Rogério Santanna; o presidente da Associação Global Info de Provedores, Magdiel da Costa Santos; o diretor-executivo do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil), Eduardo Levy; e o consultor Legislativo do Senado, Igor Vilas Boas de Freitas. (Da redação)

Anterior Estudo do BNDES mostra manutenção dos investimentos em telecom
Próximos Vivo fecha parceria com a Fifa para o Mundial da África