AGU dá sinal verde para Anatel votar a favor do plano da Oi na Assembleia de credores

Leia Mais

BNDES anuncia duas linhas de financiamento sob medida para ISPs

Leia Mais

A operadora admite que a Anatel estabeleça novos condicionantes para a renovação das frequências sem licitação, mas reivindica que sejam explicitados prazos, condições e forma de pagamento do ônus associado às prorrogações das licenças.

Para o órgão antitruste, as licenças de uso de frequências já são altamente concentradas e propõe que a Anatel condicione a renovação à novas metas de expansão de serviços e adoção de novas tecnologias.

A procuradoria especializada da Anatel ingressou com o pedido alegando que será “inviável” a conclusão da negociação das dívidas que a concessionária tem com a União, no valor de R$ 13 bilhões. A Oi, argumenta, por sua vez, que atrasos na realização da assembleia irá frustar de “forma crítica o planejamento para 2020, trazendo custos e ineficiências importantes”. 

O conselheiro Raphael Garcia votou pelo arquivamento do pedido da operadora, que alega, no entanto, que a Anatel não analisou os efeitos econômicos-financeiros da concessão de telefonia. Moisés Moreira pediu vistas do processo.

Em debate, se os canais lineares de TV transmitidos por streaming pela internet devem ser enquadrados como Serviço de Valor Adicionado (SVA) ou serviço de TV paga (SeAC). O caso corre o risco de ficar par ao próximo ano, pois o prazo de 120 dias solicitado pelo conselheiro Emmanoel Campello, acabaria após a última reunião do colegiado da agência em 2020

Segundo Luiz Antunes, da Zendesk, as empresas de todo o globo ampliaram o atendimento por call center, com diferente abordagem, trocando o customer care, por atendimento por engajamento.

Começam estudos para que a faixa de 700 MHz seja desvinculada do serviço e a empresa que comprá-la no leilão da 5G passaria a vender a capacidade para qualquer operador que tenha licença de celular.

Segundo Rogério Takayanagi, a Infraco, unidade de rede da Oi, que terá seu controle vendido por pelo menos R$ 9 bilhões, irá atuar em dois mercados distintos: o de varejo, última milha, onde “cabe todo mundo”; e o de atacado, no qual acredita que será o mais estruturante da empresa.

A operadora comprou o grupo INB Telecom, que atua na região metropolitana de Porto Alegre e em cidades litorâneas do Rio Grande do Sul, e conta com mais de 78 mil clientes.