Anatel vai debater um “glide path”, ou uma trajetória, para a implementação da 5G pura

Leia Mais

AGU dá sinal verde para Anatel votar a favor do plano da Oi na Assembleia de credores

Leia Mais

BNDES anuncia duas linhas de financiamento sob medida para ISPs

Leia Mais

Leonardo de Morais reiterou que a limpeza dos postes custa R$ 20 bilhões e não gera receita adicional para as operadoras de telecomunicações.

A lei do Fundo de Universalização, que libera a aplicação de recursos para a banda larga, foi sancionada no ano passado, mas não entrou na previsão orçamentária de 2021. Mas o Minicom pretende criar o Conselho Gestor do fundo ainda neste semestre.

O secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Vitor Menezes, estima que a construção das oito infovias de fibra óptica para ligar a região Norte do país irá custar R$ 1,6 bilhão, recursos que serão pagos pelas operadoras que comprarem as frequências nacionais da 5G, cujo leilão da Anatel deverá ser feito em junho deste ano.

Na próxima semana, a Anatel bate o martelo sobre o modelo do leilão de espectro da 5G. Alguns temas ainda em debate. Entre eles, o da exclusividade das frequências apenas para o serviço móvel pessoal, que poderia impedir a construção de rede neutra. Mas o relator, Carlos Baigorri, nega.

Até o início da próxima semana, dirigentes da Anatel voltam a debater internamente a proposta de leilão da 5G já tendo em mãos o voto vista do presidente da Anatel, Leonardo de Morais, cuja reunião formal ocorrerá no dia 25.Uma das ideias em construção é a manutenção do release 16 – que conta com o apoio das três maiores operadoras, Claro, Vivo e TIM e dos novos entrantes – mas com uma proposta de trajetória de aterrisagem diferente ao que foi apresentado.

Segundo a deputada Perpétua Almeida (PCdo B AC) o Ministério da Defesa, o GSI e a ANPD participarão do debate.A estimativa é que a rede custe R$ 7 bi.

Segundo Alex Jucius, os ISPs têm pressa em instalar as redes 5G no interior do país.

O vice-presidente de Relações Institucionais da TIM, Mario Girasole, reiterou que só o 5G puro, ou stand alone, poderá transformar o sistema produtivo brasileiro.

Para o vice-presidente de Relações Institucionais da Claro, a 5G autônoma que vem no Release 16, que está sendo exigida pela Anatel, será mais cara e não poderá ser massificada para as diferentes regiões do país.