AGU dá sinal verde para Anatel votar a favor do plano da Oi na Assembleia de credores

Leia Mais

BNDES anuncia duas linhas de financiamento sob medida para ISPs

Leia Mais

Júlio Semeghini não pretende voltar à política partidária e vai tocar seus projetos pessoais, com a bagagem de quem viabilizou, entre outras medidas, a nova Lei de Informática, e a regulamentação da Lei das Antenas.

O Senado Federal concluiu há pouco a votação e aprovação dos cinco nomes indicados pelo presidente Jair Bolsonaro para a primeira diretoria da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). Os nomes seguem para sanção do presidente Jair Bolsonaro. 

A sabatina foi realizada hoje, 19, pela comissão de Infraestrutura do Senado Federal para os nomes do coronel Waldemar Ortunho para a presidência; do coronel Arthur Sabbat; do tentene-coronel Joacil Rael; da advogada Nairane Leitão e da servidora pública Miriam Wimmer para a diretoria da ANPD

Segundo Gabriel Marão, presidente do Fórum Brasileiro de IoT, alguns segmentos produtivos, como o de petróleo e mineração, temem fazer investimentos em sistemas que ocuparão frequências que poderão ser perdidas a qualquer momento.

A Anatel poderá destinar 100 MHz da faixa entre 3,7 a 3,8 GHz para que as diferentes verticais da indústria possam construir suas próprias redes de 5G com a licença de SLP (Serviços Limitados Privados). Segundo o gerente de espectro, Agostinho Linhares, essa faixa não entrará no leilão da 5G.

Segundo Fábio Alencar, da Abrasat, os serviços profissionais de TV e corporativos vão continuar usando a banda C por pelo menos mais 20 anos.

A consultoria Roland Berger, contratada pelo SindiSat, chegou ao valor mínimo de R$ 745,2 milhões que as operadoras de celular deveriam para as operadoras de satélite deixarem os 75 MHz da banda C estendida. Desse montante, só para instalar os filtros nessas 32,7 mil estações profissionais, o preço é de quase R$ 400 milhões.

As áreas técnicas das agências reguladoras de telecomunicações (Anatel) e energia elétrica (Aneel) fizeram proposta, que será lançada para consulta pública, do surgimento de empresas de infraestrutura “exploradoras de postes” que passariam a ser responsáveis por gerir a ocupação desses ativos para reordenar o seu uso nas grandes cidades e permitir a colocação de erbs de 5G.

A Anatel quer corrigir o desperdício de espectro que existe atualmente, com uma canalização que não atende mais às novas tecnologias.

O conselho diretor da Anatel aprovou por 3 votos a 2 a renovação das frequências de 850 MHz, bandas A e B, pelo cálculo do Valor Presente Líquido ou pelo valor econômico real dessas frequências. As operadoras pediram ontem, 28, à agência para que o valor dessa prorrogação fosse menor, mas a reivindicação não foi acatada.