O CPqD acaba de concluir, a pedido da GSM Association, um estudo detalhado sobre o planejamento das redes de telefonia móvel para a Copa do Mundo de 2014 no Brasil, com aspectos relevantes que se aplicam também às Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. Neste artigo, Ricardo Tavares, destaca alguns pontos do estudo, que …

O crescimento do tráfego de dados nas redes móveis será inevitável e todos sabem disso. Este aumento, porém, irá variar conforme a operadora, uma vez que algumas são mais agressivas, incentivando o uso de telefones inteligentes via subsídios ou planos de tarifação. Neste artigo, Roberto Falsarella, gerente de Produto para Redes Móveis da Alcatel-Lucent, aponta …

Neste artigo, Marcos Dantas recorre a um relatório da OCDE que define programas de rádio e televisão como radiodifusão (“broadcasting”), independentemente das plataformas de transmissão – terrestre, cabo ou satélite, para colocar sua visão sobre o PL 29 e os substitutivos Bittar-Lustosa. No entanto, diz ele, nos casos de vídeo sob demanda (VsD) e internet, …

{mosimage}O Congresso Mundial de Telefonia Móvel, que se realiza em Barcelona, na Espanha, reuniu neste ano cerca de 50 mil pessoas para discutir o futuro da telefonia celular. Neste artigo, Ricardo Tavares resume os principais pontos discutidos nos quatro dias de congresso e mostra que guerras tecnológicas do passado, tipo GSM X CDMA, ou mesmo a nova disputa LTE X WiMAX, foram trocadas por um novo foco no desenvolvimento de aplicativos que contribuam para a monetização dos investimentos em banda larga móvel.

{mosimage}Nas últimas semanas, na medida em que as notícias sobre a reativação da Telebrás ficavam mais frequentes e concretas, o valor da ação passou a acompanhar as perspectivas positivas, saindo da casa de um real e chegando à casa dos três, recuando a seguir por influência da crise europeia. Neste artigo, o analista Leonardo Araujo tenta estabelecer quais seriam as possibilidades de a ação atingir um determinado patamar de preços e qual seria este.

O ano de 2009 foi empolgante para a tecnologia WiMAX e 2010 promete trazer mais redes, mais inovação e mais opções para prestadores de serviços e consumidores, especialmente para o Brasil, depois que a Anatel anunciou a liberação de espectro de 3,5 GHz para o uso da tecnologia WiMAX, diz Scenna Tabesh, diretora de Comunicações …

{mosimage}Para o consultor em telecomunicações José Luis Frauendorf, a disputa que se trava entre os mercados de 3G/LTE e WiMAX pode resultar em prejuízo para o usuário. Neste artigo, ele compara o WiMAX e o LTE a sistemas operacionais. "O LTE, no caso, seria o Windows, cuja licença de uso é altíssima, e por isso mesmo muito pirateada. Já o WiMAX seria algo semelhante ao Linux, ou seja um software free", diz, acrescentando que as duas plataformas  rodam no mesmo hardware — o que as diferencia é apenas o software.

Fazendo uma referência ao personagem Sherlock Holmes, o diretor da MFRConsulting, MartynRoetter, faz neste artigo uma defesa da tecnologia LTE e questiona os defensores do WiMAX 802.16 que apontam esta tecnologia como alternativa para os serviços de banda larga.

{mosimage}Com o avanço das discussões sobre o estabelecimento de um plano nacional de banda larga, é preciso definir um modelo de negócios. Para o engenheiro e pesquisador Israel Bayma, o melhor caminho para o setor de telecomunicações levar banda larga para todos, como uma política pública eficaz, é adotar o modelo do Programa Luz para Todos.

{mosimage}Na interpretação do advogado Luciano Costa, pelo Termo de Autorização das operadoras de telefonia fixa, a obrigação de solicitar anuência prévia em processos de aquisição no setor é do vendedor, e não do adquirente, pois é a operadora – que detém a licença – que tem a obrigação de requerer à Agência a anuência para a transferência do seu controle societário. Sob esta ótica ele aborda, neste artigo, a proposta da Telesp de adquirir a GVT.