Aumento do Fistel sai da pauta do governo, diz Dyogo Oliveira


O secretário-executivo do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Dyogo Oliveira, afirmou hoje,25, que o aumento da taxa do Fistel (Fundo de Fiscalização das Telecomunicações) não está mais sendo analisado.

” Essa questão das agências foi também analisada e observou-se que não seria adequado, e ficou decidido não fazer o aumento do Fistel”, afirmou ele hoje, 25, ao ser indagado sobre se o governo ainda pensava em reajustar esta taxa, já que continua trabalhando por mais receitas. O governo enviou duas Medidas Provisórias ao Congresso Nacional reajustando as taxas de fiscalização cobradas por diferentes agências reguladoras, inclusive as da Ancine.

PUBLICIDADE

Havia notícias no segmento de telecom de que o reajuste do Fistel seria de quase 200%, para acompanhar a inflação, desde que houve a última correção, e as operadoras de telecomunicações se mobilizaram, argumentando que esse aumento iria provocar a redução da base dos celulares pré-pagos e aumentar os preços dos celulares.

Mas ainda havia comentários no governo de que poderia haver uma reajuste dessa taxa em percentuais menores do que o inicialmente previsto, o que foi descartado hoje por Oliveira.

As operadoras contribuem com cerca de R$ 3 bilhões por ano para o Fistel, que incide sobre cada aparelho de celular em serviço.

Orçamento

O orçamento de 2016,  cuja lei de diretrizes orçamentárias (LOA) deverá ser encaminhada pelo governo ao Congresso Nacional até o próximo dia 31 de agosto, deverá vir com mais cortes na rubrica de despesas, informou o secretário executivo do Ministério do Planejamento, Dyogo Oliveira.

“ A receita se reduziu drasticamente ao longo de 2014 e a recuperação em 2015  é bastante modesta. As previsões para o próximo ano também apontam para um desempenho fraco das receitas e o orçamento terá que se adaptar a isso. Estamos trabalhando duramente para mantermos as despesas no limite aceitável”, completou.

Segundo o secretário, o corte de ministérios e reorganização da estrutura do governo irão promover a economia de centenas de milhões de reais. Mas ele assinala que 85% do orçamento está vinculado a despesas obrigatórias, e entende que mexer nelas “é um pouco mais complexo”. ” Podemos melhorar a eficiência dos controles, as despesas são obrigatórias e elas seguem”, afirmou.

Política Industrial

Ao participar do workshop sobre política industrial promovido hoje pelo MDIC, o secretário disse que a política industrial deve ser focada na solução dos grandes problemas nacionais e deve ter produtos e processos bem definidos e bem especificados.

“Não podemos continuar com a dispersão de recursos, ainda mais raros”, concluiu.

 

PUBLICIDADE
Anterior "Devemos ficar muito atentos ao que está acontecendo na China", alerta Planejamento
Próximos Facebook traz para o Brasil app de compartilhamento de fotos