AT&T quer vender seus serviços de IoT no Brasil


Para isso, precisa superar as barreiras regulatórias existentes no país, que não permitem o chamado roaming permanente, situação em que o usuário usa sempre sua rede de origem não importando onde esteja. Ou seja, a conexão, feita a partir dos Estados Unidos, é sempre tarifada dentro da rede da AT&T.

wikipedia.org
wikipedia.org

Com um amplo portifólio de serviços de IoT (Internet of Things) para diversos segmentos da economia, a AT&T quer também comercializar esses produtos para seus clientes globais instalados no Brasil. Para isso, no entanto, precisa vencer a barreira regulatória que não permite o roaming permanente, situação em que o cliente, onde quer que esteja mundo, utiliza sua rede de origem. “Teremos também que fazer adaptações em nosso portfólio”, comentou Fabiano Del Soldato, vice-presidente do centro de vendas da AT&T para a América Latina. Segundo Soldato, com as aquisições feitas pela AT&T no México e a compra da DirecTV – ainda a ser aprovada pelo regulador norte-americano –, que tem base em vários países da América Latina, a operadora norte-americana quer fortalecer sua presença na região.

Hoje, a A&T oferece soluções de IoT para diversas verticais, desde a manufatura (especialmente montadoras), agricultura (tratores conectados), logística (containers conectados) até a casa do cidadão. Um dos segmentos que ela considera estratégico é o da educação. “Vamos começar um piloto”, disse Soldato, ao participar de um painel sobre IoT no Mobile 3600 Series, promovido pela GSMA, que aconteceu esta semana no Rio de Janeiro. Os segmentos onde a operadora está mais focada são os de seguro (com destaque para seguro de carros), utilities, especialmente fora dos Estados Unidos, suplay chain e indústria (segmento de energia, para monitoramento de equipamentos de alto custo).

Se para Daniel Fucs, CIO da Vodafone no Brasil, também presente ao debate, o maior problema para a disseminação da IoT no Brasil está na falta de cultura das empresas no uso da tecnologia, Soldato considera que, até por atuar globalmente, os clientes da AT&T percebem mais facilmente o valor os serviços, que têm, como principal objetivo, aumentar a produtividade e reduzir custos. “No mundo todo, ainda mais frente à situaçâo econômica recessiva em vários mercados, os clientes querem soluções para gastar menos”, comentou. No caso da AT&T, o maior problema é mesmo o regulatório, pois, além do Brasil, outras países de mercados relevantes como Índia e China também não admitem o roaming permanente.

PUBLICIDADE
Anterior Mazoni é reconduzido à presidência do Serpro
Próximos Operadoras europeias preparam bloqueio de anúncios no celular