Asus cria linha de smartphones para brasileiros


A Asus, fabricante de smartphones originalmente de Taiwan, anunciou hoje, 01, em São Paulo, o lançamento de dois novos smartphones de entrada, um deles totalmente feito com foco no público brasileiro, e o compromisso de não produzir mais dispositivos com menos de 16 Gb de armazenamento. A empresa anunciou, ainda, ter vendido 100 mil smartphones da linha Zenfone 2 desde agosto.

G500TG_Blue_ asus liveO modelo criado para agradar o gosto local, na foto acima, foi batizado de Asus Live. É o primeiro celular da companhia fora da linha Zenfone. O dispositivo vem equipado com processador Mediatek de quatro núcleos, tela de 5 polegadas IPS HD (1280 x 720), câmera de 8 megapixels, 2 GB de memória RAM, 16 Gb de armazenamento e bateria de 2.070 mAh. O principal diferencial, porém, é a presença de um sintonizador de TV digital full-seg, com alta definição. A conectividade é apenas 3G. O aparelho começa a ser vendido no final de outubro, por R$ 849.

Segundo Marcel Campos, gerente de marketing e produto para o Brasil, a empresa manteve contato com usuários via redes sociais e fez adaptações seguindo as orientações do público para desenvolver o dispositivo. Por isso, o Live não tem botões físicos do Android, como acontece com todo aparelho Zenfone, traz bordas mais finas, curvas e coloridas, alto-falante arredondado e bateria removível. Não foram feitas, porém, mudanças na interface, que continua a ser a Zen UI, sobre o sistema operacional Android Lollipop 5.1.

PUBLICIDADE

ZC500TG_White_zenfone goO segundo modelo lançado é o Zenfone Gog. Já começa a ser vendido nesta quinta-feira, no site da empresa e em diversos varejos online do país por R$ 799. É o mesmo preço do modelo Zenfone 5, mais antigo, que trazia processador Intel, câmera de reolução inferior e metade do espaço de armazenamento.

O Zenfone Go tem configurações semelhantes às do Live: tela de 5 polegadas HD, bateria removível de 2.070 mAh, 2 GB de RAM, armazenamento de 16 Gb, processador de quatro núcleos Mediatek de 1,3 GHz, câmera traseira de 8 MP e dianteira de 2 MP, tudo movido pela Zen UI e Android 5.1.

Já a decisão de aumentar a capacidade mínima de armazenamento para todo e qualquer futuro aparelho da marca foi motivada pela maior complexidade do sistema operacional do telefone. Na avaliação de Campos, a evolução do ecossistema Android no último ano tornou 8 GB de armazenamento interno, o padrão até então para aparelhos de entrada, insuficientes para uma experiência de uso excepcional.

Operadoras e concorrência
Em conversa com o Tele.Síntese, Campo miniza o impacto da concorrência no país e sua busca por aliar-se a operadoras. Recentemente a Xiaomi anunciou parceria com a Vivo para iniciar as vendas do aparelho Redmi 2 nas lojas da tele. “Eles ainda precisam de muito para conhecer o mercado brasileiro, não é fácil entrar”, diz. A Asus lançou o primeiro celular por aqui em 2014.

Sobre a relação com as operadoras, Campos não descarta nenhuma possibilidade, ma diz que a empresa está de olho nas vendas para usuários pré-pagos. “Nas parcerias com as operadoras, o consumidor acaba tendo de comprar o aparelho com planos de R$ 200 ao mês. Nosso foco é o varejo, sempre foi, e continua sendo”, ressaltou.

Anterior Ouvidoria da Anatel quer suspensão automática de serviços para diminuir reclamação de usuário
Próximos Aníbal Diniz é nomeado conselheiro da Anatel até 2019