Apresentado na Câmara PL que adequa Lei de Informática às exigências da OMC


Deputados da Frente Parlamentar Mista para o Desenvolvimento da Indústria Elétrica e Eletrônica protocolaram nesta terça-feira, 3, em Brasília, o Projeto de Lei 4805/2019, que viabiliza a manutenção e a atração de investimentos produtivos do setor de Tecnologia da Informação e Comunicação – TICs.

PUBLICIDADE

A iniciativa, de autoria dos deputados Marcos Pereira (PRB-SP), Bilac Pinto (DEM-MG), Vitor Lippi (PSDB-SP) e Daniel Freitas (PSL-SC), já havia sido anunciada durante o lançamento oficial da Frente Parlamentar, na Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados, no início de agosto.

“O objetivo do projeto é corrigir os pontos da decisão da Organização Mundial do Comércio (OMC) e modernizar os mecanismos de apoio para o setor de TICs tão necessários para o desenvolvimento tecnológico”, afirmou Marcos Pereira na ocasião.

Para o presidente executivo da Abinee, Humberto Barbato, além de atender às demandas da OMC, o Projeto de Lei tem o objetivo de garantir a manutenção do parque industrial instalado no país, possibilitando a geração de empregos e a atração de investimentos em pesquisa e desenvolvimento (P&D).

De 2006 a 2017, as empresas de TICs aplicaram cerca de R$ 12,4 bilhões em P&D no Brasil. “A Lei é importante para que as indústrias continuem investindo nesse segmento, contribuindo para o desenvolvimento tecnológico do País”, afirmou.

Tempo curto

A espera pela apresentação do projeto fez o governo atrasar a edição de medida provisória para adequar a Lei de Informáticas às exigências feitas pela OMC em dezembro. Mesmo com a apresentação do texto, os deputados precisarão ter pressa para garantir sua apreciação, uma vez que o Brasil concordou em rever os benefícios fiscais, como a isenção de IPI sobre empresas de tecnologia, até 31 de dezembro.

Apresentado na Câmara, o PL terá de ir também ao Senado, ser aprovado sem mudanças, para então seguir para a sanção presidencial. Isso antes do recesso parlamentar, caso haja interesse em resolver a questão sem edição de medida provisória. (Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Idec quer suspensão de licitação da Dataprev sobre reconhecimento facial
Próximos Presidente da CCT diz que PLC 79 irá à votação sem nova audiência