App registra quase 800 tiroteios e disparos no Rio de Janeiro, em julho


fogo cruzado anistia internacionalCerca de quatro semanas após ser lançado, o aplicativo Fogo Cruzado, iniciativa da Anistia Internacional, recebeu 756 notificações relatando tiroteios ou disparos de arma de fogo na Região Metropolitana do Rio de Janeiro em julho. A Anistia divulga hoje o primeiro balanço mensal do Fogo Cruzado, com a consolidação das informações recebidas ao longo do último mês (05 de julho a 01 de agosto).

Além das notificações compartilhadas colaborativamente pelos usuários, o relatório mensal inclui ainda dados coletados via imprensa e canais da própria polícia, como os boletins diários publicados no site da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ). Mais de 35 mil downloads gratuitos do aplicativo já foram feitos nas plataformas Android e iOS.

O relatório deste mês de interatividade, com notificações registradas de 0:00h de 05/07 até as 24:00h de 01/08, mostra que o Complexo do Alemão é uma área especialmente atingida pela violência armada. Desde que o aplicativo Fogo Cruzado entrou no ar, o bairro esteve entre as três regiões que mais recebem notificações. Com a diferença que tem tido índices de notificações comparáveis a municípios inteiros, como São Gonçalo e Duque de Caxias.

PUBLICIDADE

Foram registradas 756 notificações no mapa neste período. Destas, 51 notificações apontaram vítima fatais, 73 notificações indicaram feridos e 128 registraram ocorrência de operação policial. Todas as notificações enviadas por usuários são moderadas antes da postagem no mapa online.

No total, 972 notificações foram enviadas por usuários mês; destas, 216 foram descartadas por serem repetidas, incompletas ou relatarem ocorrências em cidades fora da atual área de cobertura do aplicativo. Destas, 111 notificações são referentes à informações colhidas na imprensa e canais oficiais da Polícia Militar, compiladas pela equipe do Fogo Cruzado. Foram 22 vítimas fatais, 39 feridos e 41 operações policiais.

“As informações da Polícia Militar do Rio de Janeiro compiladas neste material foram coletadas via Site e Redes Sociais Institucionais, que são muito diversas. Vale frisar que o que é publicado hoje não reflete a totalidade das operações policiais realizadas no período e o número exato de pessoas feridas ou mortas”, explica Cecília Olliveira, pesquisadora e gestora de dados do Fogo Cruzado.

O aplicativo, que opera em modo piloto até o final deste ano, está sob constante atualização para corrigir falhas técnicas apontadas por usuários. Upgrades do Fogo Cruzado já foram disponibilizados nas lojas para download gratuito.

A Anistia Internacional programou para outubro a publicação do primeiro relatório trimestral a partir das informações reunidas pelo aplicativo, revelando o contexto de violência armada na Cidade pré-Olímpica. A ideia é divulgar periodicamente os dados do Fogo Cruzado até dezembro, quando será avaliada a possibilidade de expandir a cobertura da ferramenta para outras cidades e regiões brasileiras. As informações adicionais vão nos revelar o impacto da violência armada em serviços da cidade como transporte e funcionamento de escolas.

A iniciativa faz parte da campanha “A violência não faz parte desse jogo!”, que denuncia os riscos de aumento de violações de direitos humanos no contexto de mega eventos como os Jogos Olímpicos Rio 2016. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Samsung anuncia nova geração do Galaxy Note
Próximos Vivo ativa rede LTE em mais cinco cidades