Anatel só cumpriu 43% da meta regulatória do biênio, destaca Ouvidoria


A Ouvidoria da Anatel publicou hoje, 25, o seu relatório, que faz uma análise da atuação da agência reguladora e do comportamento do mercado de telecomunicações. Ao contrário do relatório divulgado no ano passado, quando foram feitas ácidas críticas ao desempenho dos dirigentes da agência, ao seu corpo administrativo e à atividade-fim da fiscalização, este ano, o documento, assinado pela Ouvidora Amélia Alves que acaba de terminar o seu mandato, tem o tom muito mais cauteloso e traz  uma série de elogios a atual gestão e seu corpo de servidores.

Os comentários sobre o desempenho do Conselho Diretor, que no ano passado chegou a provocar  constrangimentos pela métrica usada, este ano foram mais contidos, e até mesmo alguns parâmetros deixaram de ser medidos. Conforme a Ouvidoria, alterações promovidas pela própria secretaria do conselho na elaboração de seus relatórios,  impediu a análise comparativa de alguns itens. Mas no final, o relatório constata que  “o Conselho conseguiu deliberar em definitivo um número maior de matérias (902) do que a quantidade que lhe foi distribuída (777)  Isso permite aferir um fluxo matérias em 116,1%, reduzindo, consequentemente, o “estoque” de matérias pendentes.”

PUBLICIDADE

Mas no que se refere à edição de regulamentação setorial, a Ouvidoria constatou que, para alguns temas, a Anatel demora até três anos para emitir uma nova regra. E ainda está com o desempenho abaixo da média neste quesito. “Para o biênio 2017-2018, foram planejadas 61 ações regulatórias (incluindo o déficit da agenda anterior), que representam 65 iniciativas regulamentares. Conforme o Relatório de Acompanhamento da Agenda, consolidado pela SPR, ao encerramento do primeiro trimestre de 2018, apenas 42,9% das ações foram executadas, ou seja, após 15 meses de um prazo total de 24 meses para o cumprimento da Agenda, menos do que a metade foi executada”, aponta a ouvidoria.

Fiscalização e Conflitos

Se na avaliação do ano passado foram duras as críticas à atuação da fiscalização da agência, este ano, são só elogios. Afirma o documento: “mesmo em face do forte contigenciamento orçamentário imposto à Anatel nos últimos anos, houve um acréscimo de 13,58% no volume total das ações de fiscalização programadas para 2017, bem como a equipe de fiscalização conseguiu concluir 12,73% a mais do que no ano anterior. Dados esses que evidenciam o incremento de eficiência na gestão da respectiva área”.

Também destaca a eficiência da Anatel na resolução de conflitos. “O resultado total revela alta eficiência por parte da Anatel 111,4% de conclusão dos procedimentos de soluções conflito de competição em 2017. Comparando-se com o ano de 2016, quando esse resultado foi de 85,7%, percebe-se relevante progresso na atuação da Anatel”, destaca a Ouvidoria.

Consumidor

Quanto ao atendimento da Anatel e operadoras visto sob a ótica do consumidor, a Ouvidoria preferiu não analisar os resultados apurados pela pesquisa de opinião promovida pela Anatel, por não concordar com a metodologia escolhida. Posição que parece ser apenas uma disputa acadêmica, sem muito efeito no mundo real.

A Ouvidoria avalia, no entanto, que as quedas nas reclamações aos serviços de telecomunicações, apuradas mês a mês pela Anatel, não podem ser atribuídas a” uma melhoria na eficiência das operadoras, decorrente de ações do regulador”.

Para a Ouvidoria, outros fatores, como o agravamento da inflação e desemprego, redução no número de acessos em determinados serviços; sub-notificação, mudança de comportamento ou mesmo preferência entre modalidades de serviços, podem afetar diretamente os índices da qualidade percebida dos serviço.

 

 

Anterior Concentração do mercado de banda larga diminui, diz Ouvidoria
Próximos Oi tem novos planos para as PMEs