Anatel rejeita pedido da Claro e mantém por 5 anos uso de frequências para STFC


Projetado por Freepik

O Conselho Diretor da Anatel rejeitou hoje, 17, o pedido de reconsideração da Claro sobre a decisão aprovada pelo colegiado em fevereiro de 2019 que definiu, entre outros pontos, o prazo de cinco anos para as prorrogações das autorizações de uso das radiofrequências da Banda S para telefonia fixa (STFC).

Responsável por pedido de vista da matéria, o conselheiro Emmanoel Campelo sustentou que inexiste direito subjetivo à prorrogação e acrescentou que, portanto,  não há que se falar em prorrogação por 20 anos. Considerou “bastante razoável” o prazo de cinco anos em razão da existência de número expressivo de usuários, de forma a permitir que os usuários sejam migrados para outras faixas detidas pela operadora.

Também argumentou que o número de acessos no STFC local é representativo. “Cabe lembrar que a Claro oferta serviços de telecomunicações em combos que incluem TV a cabo, telefonia fixa, telefonia celular e banda larga fixa e móvel. A oferta do STFC, apesar da sua pouca utilidade, sobretudo nas regiões mais urbanizadas do país, continua a ser inserido nas ofertas conjunta o que provavelmente atenua a queda do serviço fixo”, disse.

PUBLICIDADE

Queda da telefonia fixa

Para fundamentar o seu voto, Campelo tomar por base manifestação da Superintendência de Competição (SCP) sobre a queda do STFC para os próximos ano. Em resposta, disse ter recebido a informação de que “a evolução tecnológica dos anos recentes, especialmente associada a substituição da voz fixa pela voz móvel, fez com que o serviço de telefonia fixa declinasse forte e consistentemente ao longo do tempo para todas as operadoras de telecomunicações no Brasil”.

A SCP informou que “a substituição da telefonia fixa, inicialmente pelo serviço de voz móvel, foi intensificada também pela expansão dos serviços de dados móveis associados às tecnologias de terceira e quarta geração que possibilitaram os serviços de mensagens instantâneas e de voz por meio de aplicativos over-the-top (OTTs)”.

Anterior Abratel repudia proposta de uso da faixa de 600 MHz pelo setor de telecom
Próximos Leilão de frequências para provedores regionais sai da agenda de 2020 da Anatel