Anatel quer coleta periódica de dados sobre backhaul


Consulta pública aberta nesta terça-feira, prevê a identificação dos proprietários de cada trecho da rede de transporte; classificação do trecho de fibra óptica como swap ou não e topologia georreferenciada dos enlaces, entre outros dados

Anatel abre, nesta terça-feira, 6, consulta pública nº 68, com a proposta de instituição de coleta periódica do conjunto de dados referentes à infraestrutura de telecomunicações que suporta as redes de transporte (backhaul) para as prestadoras dos seguintes serviços de telecomunicações de interesse coletivo: Serviço de Comunicação Multimídia (SCM), Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC), Serviço Móvel Pessoal (SMP) e os diversos serviços de TV por Assinatura. O objetivo é de subsidiar a elaboração de políticas públicas que promovam a expansão e a melhoria da infraestrutura de telecomunicações no Brasil.

Além disso, busca-se permitir que os agentes interessados (governos, empresas e cidadãos) possam ter acesso às informações em formato aberto e, assim, fomentar a participação de todos os players do mercado. Essas informações podem subsidiar também ao Plano Estrutural de Redes de Telecomunicações (Pert).

A proposta de nova coleta de dados de infraestrutura apresenta como pontos fundamentais:

PUBLICIDADE
  • Identificação adequada dos pontos de abertura ou acesso aos tributários das redes de transporte de telecomunicações, visto tratar-se dos pontos a partir dos quais eventuais derivações de rede são mais facilmente construídas;
  • Identificação dos proprietários de cada trecho da rede de transporte;
  • Classificação do trecho de fibra óptica como swapou não, de forma a clarificar a análise de situações em que o trecho pode ser coincidente entre duas ou mais prestadoras, mas não apresentar nenhuma redundância adicional, por se tratar do mesmo conjunto de fibras ópticas;
  • Informação da capacidade dos trechos, com vistas a identificar fragilidades nas redes que possam ser mitigadas por ações da Agência;
  • Abrangência: Prestadoras dos principais serviços de telecomunicações de interesse coletivo (Serviço de Comunicação Multimídia, Serviço Telefônico Fixo Comutado, Serviço Móvel Pessoal e os diversos serviços de TV por assinatura);
  • Topologia georreferenciada dos enlaces;
  • Formato do arquivo CSV, diferente do que havia sido proposto inicialmente no Requerimento de Dados que deu início ao processo.

A proposta foi debatida previamente com as operadoras, que aprovaram  a proposta de coleta em múltiplos arquivos de formato CSV, incluindo topologia georreferenciada dos enlaces. O prazo de contribuição é de 30 dias, até o dia 5 de novembro.

Anterior Juiz homologa aditamento ao plano de recuperação judicial da Oi
Próximos Ensaios sobre limite de exposição humana de novas tecnologias em consulta