Anatel mantém bens das coligadas das concessionárias como reversíveis à União


Os bens reversíveis que estão sob o guarda-chuva das operadoras de celular ou de banda larga fixa do mesmo grupo econômico das concessionárias (Oi, Embratel, Telefônica, Sercomtel e Algar Telecom) também serão reversíveis à União em 2025.

PUBLICIDADE

O conselho diretor da Anatel aprovou hoje, 25, o Regulamento de Continuidade, novo nome para as regras de Bens Reversíveis, ou seja, aqueles bens que deverão ser entregues à União para garantir a continuidade do serviço de telefonia fixa, após o término das concessões, em 2025.

O regulamento foi aprovado pela unanimidade do Conselho, à exceção de dois artigos que tratam da transferência da posse ou da propriedade desses bens para a União. Prevaleceu a  proposta do relator, Carlos Baigorri, que defendeu a tese da transferência da posse, em detrimento dos votos do presidente e vice-presidente da Anatel, que se manifestaram pela transferência da propriedade dos bens.

Pelas regras aprovadas, ficou mantida a obrigatoriedade de reversão dos bens das concessionárias de telefonia fixa e também de suas controladas, coligadas e controladoras, ou seja, dos bens que pertencem ao grupo econômico e não apenas à concessão. “Não importa se o bem reversível está sob outro CNPJ que não o da concessão. Para esse bem, terá que ser mantido no conceito da reversibilidade”, afirmou Baigorri.

Lista

O conselho decidiu também reduzir o prazo para que as concessionárias passem a informar trimestralmente à Anatel a lista dos bens de terceiros que integram a reversibilidade. Pelos contratos de concessão, essa informação trimestral teria que começar a ser repassada à agência 36 meses antes de dezembro de 2025. Agora, passará a ser trimestral somente a partir de 18 meses do término da concessão.

As regras aprovadas estabelecem ainda que a autorização prévia da Anatel para que as concessionárias comprem novos equipamentos para as redes de telefonia fixa não irão garantir a indenização no momento da reversão, mas apenas quando forem utilizados para a prestação do serviço. “Se o equipamento não for essencial para o serviço, não se pode falar em indenização”, afirmou Baigorri.  Os bens compartilhados com outros serviços também serão reversíveis.

Anterior Um Telecom lança websérie com dicas de segurança para home office
Próximos Anatel decide transferir só a "posse" do bem reversível e não a propriedade para União