Anatel espera disputa no SMP no leilão das sobras


Ao apresentar hoje (9), em entrevista à imprensa, os dados relativos ao leilão das sobras nas faixas de 1.800 MHz, 1.900 MHz e 2.500 MHz, que será realizado no dia 17 de dezembro, o presidente da Anatel, João Rezende, disse que espera disputa, pois sempre há interesse pelas faixas de prestação do SMP (Serviço Móvel Pessoal). Já em relação ao SCM (Serviço de Comunicação Multimídia) – bandas T e U da faixa de 2.500 MHz em TDD – não há muita previsão do que possa ocorrer, porque é a primeira fez em sua história que a Anatel vai leiloar frequências com cobertura geográfica equivalente ao município, permitindo a participação de pequenos prestadores locais.

“Os provedores regionais sempre procuraram a agência reivindicando uma modelagem da qual pudessem participar. Sempre disseram que tinham interesse em novas faixas de frequências licenciadas”, comentou José Alexandre Bicalho, superintendente de Planejamento e Regulamentação da agência e coordenador do edital da licitação, que foi publicado hoje no Diário Oficial da União.

Justamente por serem mais atrativos, os lotes das subfaixas de frequência em FDD, tanto em 1.800 MHz, 1.900 MHz como em 2.500 MHz, são muito mais valorizados. Além disso, também têm área geográfica maior. O lote Tipo A, item A, na faixa de 1.800 MHz cobre, por exemplo, a Grande São Paulo, sua área de concentração, e áreas menores no interior do Estado. Seu preço mínimo é de R$ 450 milhões. No total, os preços mínimos de todos os lotes em FDD, nas três faixas disponíveis, somam R$ 1, 617 bilhão.

Já o valor da subfaixa T do lote C, onde estão a maioria das pequenas cidades, o cálculo do preço mínimo, de acordo com Bicalho, foi feito com base no preço público. “O VPL deu negativo”, comenta o superintendente, ao dizer que os preços dos lotes em TDD, especialmente na faixa T são muito acessíveis aos provedores regionais.

Anterior STJ: voto do relator sobre bloqueio de internet móvel sai até o final de novembro
Próximos IGF 2015: Sepin vai acabar