Anatel desiste de unificar carregador de celular


Para a agência, há falta de consenso internacional, sobre este tema. Para Igor Brito, do Procon do Espírito Santo, a Comunidade Europeia já decidiu pela padronização, que começa a valer a partir de 2017 e é obrigatória para todos os fabricantes.

O superintendente de certificação da agência, Vitor Menezes, afirmou hoje, 16, durante audiência pública na Câmara dos Deputados, que  a Anatel desistiu de  unificar os carregadores de celular no Brasil por falta de consenso dos fabricantes a nível mundial.” A consulta pública lançada em 2012 propunha padronizar apenas a fonte do carregador (o pedaço que liga o celular à tomada) e não todo o fio, ou o conector ao celular. Mas a normativa ficou em suspensão devido a dificuldade de consenso mundial e das patentes”, afirmou ele.

Ele disse ainda que a padronização do carregador poderia inviabilizar as inovações tecnológicas (hoje já há carregador sem-fio) ou a fuga de fabricantes do mercado brasileiro. Menezes assinalou ainda que o Brasil é signatário de tratados de barreiras técnicas

PUBLICIDADE

Benjamin Sicsú, representante da Abinee, disse que a indústria considera desnecessário a obrigação de padronização dos carregadores porque, segundo ele,  mais de 80% dos celulares que são hoje vendidos no mercado brasileiro já são unificados.  Segundo ele,  Em 2007, a indústria mundial fez um acordo para buscar solução uma única, com conector de micro-USB único e é este padrão que está sendo comercializado hoje em todo o mundo.

“ O mercado brasileiro é de  60 milhões de celulares por ano e 85% já são smartphones que já tem a unidade de carregador uniforme. Eles já são intercambiáveis e funcionam entre si”,afirmou Sicsú.

Ele disse que a indústria é contrária a qualquer norma que obrigue ao cumprimento de 100% das metas, pois impediria a inovação.

Consumidores

A  coordenadora institucional da ProTeste, Maria Inês Dolci, afirmou, por sua vez, que os padrões são a favor do consumidor e que a sua entidade defende a aprovação de um projeto de lei no Congresso Nacional para forçar esta medida.

O diretor do Procon ES Igor Britto afirmou que a Comissão Europeia decidiu em 2010 pela unificação desses dispositivos e em 2014 publicou as diretrizes para que todos os países adotassem o padrão universal. “Esta medida deverá ser adotada em todos os celulares da Europa a partir de 2017”, afirmou.

 

 

 

Anterior Vivendi quer ampliar sua fatia na Telecom Italia
Próximos Cellebrite nomeia novo diretor para a América Latina