American Tower firma parceria de desenvolvimento em IoT com o BH Tec


A operadora de infraestrutura American Tower firmou no fim de novembro acordo com o BH Tec para o desenvolvimento de soluções de internet das coisas (IoT). Pelo acordo, o parque tecnológico poderá ser acionado por empresas para a criação de soluções personalizadas.

O centro ficará encarregado de mobilizar desenvolvedores e, quem aderir, poderá usar a rede LoRaWAN da American Tower. A parceria é a 12ª do tipo firmada pela empresa de infraestrutura no Brasil, que tem focado esforços em crescer além do mercado de torres para operadoras móveis, em que é dona de mais de 19 mil torres.

Entre as outras parcerias assinadas estão polos e instituições educacionais, instituições de P&D, ecossistemas de aceleração de empresas e startups, e a Prefeitura do Rio de Janeiro, com foco em cidades inteligentes.

A ATC atua no mercado de IoT da mesma forma que atende no segmento de infraestrutura passiva. A rede LoRaWAN é neutra, usa espectro não licenciado de 915 MHz, e os serviços sobre ela são comercializados por parceiros, entre os quais, operadoras de telecomunicações, MVNOs e integradoras. Atualmente, a rede é usada em 35 projetos, explica o responsável pela área Daniel Laper.

Dimensão

Desde o lançamento da rede, em 2018, até agora, 3,3 bilhões de mensagens foram comunicadas através dessa rede IoT da American Tower. Hoje a rede abrange 265 cidades em todos os estados, cobrindo 110 milhões de pessoas. “Isso correspondente a 63% do PIB”, comenta o executivo.

Segundo ele, a maior parte dos projetos está ligada a rastreamento de ativos, uma vez que a maior parte da rede é urbana. Mas está havendo expansão para o interior, a fim de atender o agronegócio. Há também iniciativas de medição inteligente de consumo de água, gás e energia.

Para 2021, a operadora acredita no crescimento em governo, com o fechamento de parcerias público-privadas em iluminação pública. “Tem um bom volume de PPPs saindo”, observa o executivo.

A American Tower fez 20 anos de Brasil neste ano. Começou sua operação brasileira em 2000. Desde então, diz o executivo, investiu US$2,7 bilhões no país desde então. Além dos 19.000 sites móveis, é dona de operação de fibra óptica FTTH em Minas Gerais.

Anterior Lei que altera uso do Fust é sancionada com vetos
Próximos Vetos em nova Lei do Fust preocupam entidades