Algar Telecom tem prejuízo de R$ 3 milhões no trimestre


A Algar Telecom teve um prejuízo de R$ 3 milhões no segundo trimestre de 2022. É o que aponta o relatório de resultados da operadora no período, divulgado nesta terça, 9. No documento, a empresa diz que “esse resultado foi ocasionado por um maior dispêndio com amortização/depreciação e maior volume de despesas financeiras, fruto da maior dívida bruta no período e dos aumentos do CDI e IPCA médios”.

PUBLICIDADE

O relatório indica que, apesar do prejuízo, a Algar investiu R$ 291 milhões no segundo trimestre de 2022, contra R$ 137,4 milhões no segundo trimestre do ano passado. O fluxo de caixa livre foi de R$ 84,9 milhões, bem menos que os R$ 115,5 milhões do 2T21.

A Algar, que há três meses havia previsto “crescimento com cautela” para 2022, pontua que sua receita líquida com clientes B2B aumentou 16,9% no segundo semestre de 2022 e os acessos de banda larga sobre fibra atingiram 97,0% de todos os acessos no varejo.

Esses 16,9% de crescimento levaram a Algar a uma receita de R$ 448,1 milhões no segundo semestre de 2022, no segmento B2B. Os serviços de TI atingiram 16,3% das receitas do segmento, de acordo com relatório da operadora. A telecom informou que chegou a um total de 780,5 mil acessos de conectividade com clientes B2B, dos quais 758,3 mil são em fibra óptica.

Também disse que, no período de abril a junho de 2022 e no acumulado dos primeiros seis meses do ano, investiu R$ 139,9 milhões e R$ 257,0 milhões, respectivamente, tanto para a expansão e conexão de novos clientes quanto para a integração das redes da Vogel Telecom e em melhorias das operações. Segundo a Algar, esse crescimento derivou da adição líquida de 23,5 mil novos clientes no período, fruto da incorporação da Vogel Telecom e da conquista de novos usuários nas diferentes regiões de atuação da companhia.

As receitas com serviços TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação) totalizaram R$ 73,2 milhões no 2T22, um aumento de 38,6% em 12 meses. Os serviços de telefonia móvel prestados aos clientes B2B, por sua vez, geraram uma receita líquida de R$ 50,9 milhões no trimestre, 30,2% superior à do 2T21.

Segundo o relatório, esse crescimento decorreu do aumento de 56,7% nas receitas de Machine-to-machine (M2M), resultado da venda e ativação de 1.163,4 mil novos chips no período, os quais foram voltados principalmente aos setores de adquirência de cartões de crédito/débito e rastreamento de frotas. As receitas com telefonia móvel humana permaneceram estáveis no comparativo anual.

Voz

Por fim, as receitas oriundas dos serviços de voz totalizaram R$ 61,0 milhões no trimestre, uma evolução de 1% explicada pelo aumento do número de clientes do segmento. Já o grupo de outras receitas apresentou uma queda de 16,7%, influenciada por um menor volume de venda de modens.

A Algar observa que, ao final de junho de 2022, o segmento B2B respondia por 67% das receitas totais da companhia. Para a telecom, isso é um resultado “da decisão estratégica da empresa de expandir geograficamente as suas operações com foco nesse segmento de clientes”.

PUBLICIDADE
Anterior Campelo: Anatel vai analisar se houve tentativa de burlar o edital 5G
Próximos Prejuízo da Telebras no 2T de 2022 triplica em comparação ao ano anterior