Agência pretende só acompanhar dificuldades da Nextel


shutterstock_ Nonwarit_Regulacao_anatel_congresso_nacional

A saída de Francisco Valim da Nextel acendeu o sinal vermelho no mercado de telecom, já que o executivo tinha sido contratado justamente para tentar sanear a empresa e encontrar um comprador. A sua controladora, a NII Holdings, fechou 2016 com prejuízos de US$ 1,5 bilhão e já avisou ao mercado que, se não equacionar a sua dívida, entrará em falência no final do ano.

Mas para esse caso de incapacidade financeira, a Anatel está entendendo que devem ser adotadas as soluções de mercados, e não uma intervenção.

PUBLICIDADE

Para o presidente Juarez Quadros, a Nextel “tem uma operação mediante autorização, é uma iniciativa privada, e é uma das operadoras que atuam em um mercado altamente competitivo. Vamos só acompanhar”, disse.

Quadros encontra-se ainda esta semana com o novo presidente da empresa, Roberto Rittes.

Anterior Comissão dos EUA decide em maio se derruba regras de neutralidade da rede
Próximos Fundo do audiovisual gastará este ano R$ 748 milhões do imposto de telecom