Acordo entre HBO e Sky é obstáculo à oferta de serviço de streaming avulso da AT&T no Brasil


A AT&T comprou a Time Warner, já rebatizada para Warner Media, com a intenção de criar plataformas digitais de conteúdo que poderiam concorrer com Netflix. Já em 2019, vai lançar um serviço de streaming avulso, vendido independentemente de assinaturas em TV paga.

PUBLICIDADE

Mas o projeto deve ficar restrito ao mercado norte-americano, conforme informações dadas pelo CEO da operadora, Randall Stephenson, durante apresentação a analistas realizada nesta terça-feira, 4.

Segundo o executivo, a plataforma de streaming será comercializada em três versões. A mais simples, trará apenas os filmes produzidos pela HBO. Uma segunda oferta, terá também séries e documentários, além dos filmes, da HBO. Por fim, a oferta mais cara, terá todo o conteúdo HBO e dos estúdios Warner.

No Brasil, isso não deve acontecer tão cedo, no entanto. Stephenson afirmou que a importância da HBO na grade da Sky é um impeditivo.

“Gostaríamos que fosse uma plataforma global, mas não é tão simples. Há uma série de relacionamentos intrincados onde os conteúdos são distribuídos, ao redor do mundo, e em muitos casos as relações são muito profundas e importantes, como é o caso da Sky. No line up deles, há muito conteúdo HBO. Então não dá pra lançar o produto tão cedo lá. Teremos que pensar como resolver isso”, disse.

O executivo afirmou, ainda, que o lançamento da plataforma acontecerá após uma análise país a país. “Não haverá um produto que sirva para todos os mercados fora dos EUA porque a Warner Media tem relações muito complexas fora dos EUA”, falou.

Stephenson disse também acreditar que o consumidor terá um produto de streaming de conteúdo ao vivo e assinará mais dois ou três serviços de streaming de vídeo (SVOD) no futuro próximo. “Queremos ser um desses dois ou três produtos assinados”, relatou.

No Brasil, a fusão entre AT&T e Time Warner ainda passa pelo escrutínio dos reguladores.

5G

Assim como sua rival norte-americana Verizon, a AT&T também avisou que vai lançar no primeiro semestre, junto com Samsung e Qualcomm, um celular 5G compatível com sua rede. A operadora espera encerrar o ano com 12 cidades nos EUA atendidas com 5G, e chegar a 400 em 2019. “As antenas estão sendo instaladas, as small cells estão sendo distribuídas”, afirmou Stephenson.

PUBLICIDADE
Anterior Mobilização pela derrubada dos vetos a artigos da LGPD ganha força em Brasília
Próximos Novas datas para desligamento do sinal analógico de TV