ABRANET quer adiamento da adesão obrigatória ao PIX para agosto de 2021


A Associação Brasileira de Internet está defendendo o adiamento da adesão obrigatória ao PIX, sistema de pagamento instantâneo, para agosto de 2021. O Banco Central divulgou nesta quarta-feira, 12, o regulamento do novo sistema e confirmou o início da operação para 16 de novembro.

A entidade, que tem entre os seus associados empresas do segmento de meio de pagamentos, alega que a Autoridade Monetária precisa ser mais flexível com as opções obrigatórias e abrir oportunidades de adesões à plataforma ao longo desses 12 meses de prorrogação solicitada.

A ABRANET argumenta que é necessário dar um tempo maior para a realização dos testes de integração. “Precisamos testar e deixar segura a plataforma para os usuários, segundo as regras de segurança e prevenção de fraudes”, advertiu a entidade, em nota oficial.

PUBLICIDADE

Segundo ainda o comunicado, a ABRANET destaca que ‘nossas associadas estão em pleno trabalho de adesão, mas entendem que essa imposição do regulador pela adesão contraria a mensagem colaborativa e, acima de tudo, pode ser prejudicial ao projeto como um todo e aos seus usuários”.

O PIX será um novo meio de pagamento para tarifas que chegará ao mercado com a missão de reduzir valores cobrados ao consumidor, além de permitir transações em tempo real. O custo do PIX para 10 transações é estimado pelo BC em R$ 0,01, o que daria um custo de R$ 0,001 para a instituição financeira ou fintech aderente à plataforma. O Banco Central foi ao mercado para avisar que não vai prover serviço direto ao consumidor final e que será tão somente o coordenador do novo ecossistema financeiro. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Redes neutras das teles brasileiras atraem dinheiro de todos os cantos do mundo
Próximos Disney confirma lançamento em novembro no Brasil do app rival da Netflix