Relatório da Ericsson indica altas expectativas de consumidores para conectividade inteligente


Para 91% dos paulistanos, smartphones se tornarão capazes de alertar a respeito de temporais ou rajadas de calor. As afirmações pertencem ao relatório Hot Consumer Trends 2020, pesquisa promovida pela Ericsson ConsumerLab, que mapeou os dez papeis principais do dia a dia que os consumidores esperam que seus dispositivos possam desempenhar nas próximas décadas. O estudo ouviu mais de 15 mil pessoas em 15 grandes cidades do mundo, na faixa etária entre 15 e 69 anos.

Em São Paulo, 86% dos entrevistados acreditam que haverá um serviço de vigilância eletrônica para casas e para alertar outros sistemas de segurança da vizinhança. 87% preveem sistemas automatizados de gestão financeira que consigam explicar como seus investimentos estão sendo administrados.

PUBLICIDADE

Outros 87% apostam em  pontos de acesso domésticos que conectarão automaticamente seus dispositivos a fibra, cabo, WiFi para a próxima década. Ainda, a pesquisa indicou que 80% dos entrevistados disseram que até 2030 haverá medidores de eletricidade inteligente. Esses dispositivos irão calcular a eletricidade usada para realização do home office. Por fim, 51%  esperam ter nanobots em sua corrente sanguínea que aprendem como combater o câncer e lutar contra novos vírus. O que aconteceria a partir da troca dados com bots de outras pessoas.

O resultado surpreendeu Michael Björn, Head de Pesquisa do Ericsson Consumer & IndustryLab e autor do relatório: a pesquisa apontou que a expectativa das pessoas para conectividade mais inteligente são maiores do que para qualquer outro tipo de máquina inteligente conectada.

“Isso indica oportunidades para os provedores de serviço 5G expandirem gradualmente as redes inteligentes para cobrir uma ampla gama de novos serviços para seus clientes, e cada uma das funções da máquina que apresentamos neste relatório pode ser vista como uma área de serviço. completamente novo”, afirmou. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Europa vai destinar R$ 46 bilhões a programa digital para recuperação da economia
Próximos Especialistas descartam veto de Anatel e Cade à compra da Oi Móvel pelas rivais