91% dos internautas do Brasil assistem a conteúdos de streaming semanalmente


Levantamento com 4 mil consumidores do Brasil, da Argentina e do México aponta que 91% dos brasileiros assistem à programação de plataformas de streaming ao menos uma vez por semana. No México, o índice é de 92%, e na Argentina, 81%.

PUBLICIDADE

A pesquisa foi realizada pela empresa Magnite, que comercializa espaços publicitários em diferentes canais. O levantamento aponta ainda que  85% dos telespectadores disseram que preferem o streaming à TV aberta e 80% optariam pelo streaming se tivessem de escolher.

Nos três países, os entrevistados passaram a maior parte do seu tempo assistindo conteúdos via streaming em detrimento da TV tradicional. Os entrevistados do México disseram que 65% do tempo dispensado à TV eram gastos em streaming. Já os entrevistados brasileiros e argentinos relataram 63% e 58%, respectivamente.

Poder aquisitivo

Em todos os três países, o valor que as pessoas estão dispostas a pagar por conteúdo em streaming na TV é ainda maior do que o pago atualmente, indicando espaço para serviços adicionais. Na Argentina, o consumidor médio paga US﹩ 6 por mês, enquanto o valor máximo que está disposto a gastar é US$ 10.

No Brasil, o valor médio pago é de US$ 15 por mês e o máximo é de US$ 20; e no México os consumidores gastam, em média, US﹩ 18 por mês, mas estão dispostos a despender até US$ 26. A maioria (71%) dos consumidores afirmou que pretende assinar outro serviço.

Embora os consumidores ainda não tenham atingido seus limites para as assinaturas, eles ainda desejam maximizar o acesso a conteúdos via streaming dentro de seu orçamento. A maioria dos entrevistados (74%) prefere assistir a conteúdos com publicidade, desde que sejam gratuitos ou com custo reduzido; e 83% desejam mais serviços de streaming de vídeo gratuitos.

O estudo ‘CTV na América Latina: O Futuro Adiante’, da Magnite, foi realizado em janeiro de 2021 pela Harris Interactive, por meio de uma pesquisa online. O objetivo foi revelar insights a respeito do assunto nos três grandes mercados da América Latina. A amostra contou com aproximadamente 4 mil consumidores localizados no Brasil (1.648), Argentina (1.125) e México (1.276), com idade entre 18 e 64 anos e acesso regular à internet. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Nova regra do WiFi Brasil prevê recursos privados para financiar conexões
Próximos Coprel Telecom contrata transmissão de dados da Algar Telecom