5G tem muito a oferecer ao mundo corporativo, diz Embratel


As operadoras vão cumprir as obrigações impostas pelo edital do 5G, levando a tecnologia para as capitais até junho de 2022, e, paralelamente, vão focar o mundo corporativo, onde a quinta geração de rede móvel pode captar maiores benefícios, afirmou o diretor de Marketing da Embratel, Alexandre Gomes, em seminário do jornal Folha de S. Paulo, realizado nesta quarta-feira, 24.

PUBLICIDADE

Gomes disse que serão atendidas não só a manufatura 4.0, agronegócio, mineração, indústria de petróleo e gás, com soluções construídas sob medidas, que dependem de maior capacidade e, muitas vezes, de baixa latência, predicados do 5G. Segundo ele, o ciclo da tecnologia é mais desafiador que os das anteriores e por isso, defende o trabalho conjunto da sociedade, governo e empresas.

Para o vice-presidente da Comissão de TI e Inovação da OAB, Rafael Pistono, há preocupação com a falta de mão-de-obra para a implantação da nova tecnologia, que coloca o ser humano em outro patamar laboral, de leitura de dados e reflexão para criação de novos produtos e serviços. Para ele, a sociedade deve demandar do governo mais capacitação para o trabalhador.

Críticas

A advogada Flávia Lefévre, que participou do segundo painel do seminário representando o Intervozes, disse que as contrapartidas exigidas no leilão do 5G são pouco adequadas aos gaps regionais e ao valor das frequências licitadas. Ela ressaltou que a venda só da frequência de 3,5 GHz, nos Estados Unidos, rendeu mais de R$ 141 bilhões, quase três vezes o valor estabelecido para as obrigações em quatro faixas leiloadas no Brasil.

Segundo Flávia, além dos problemas regionais, 75 milhões de brasileiros, que acessam a internet móvel, não contam com uma conectividade significativa, como defendem os órgãos internacionais. Essas pessoas têm planos normalmente pré-pagos e com franquia de dados de menos de 2 GB por mês. “A UIT [União Internacional de Telecomunicações] considera banda larga móvel somente os planos que usam 4G e que 1,5 mil usuários sejam atendidos por uma antena”, disse.

A advogada disse que em bairros populares de São Paulo, como Tiradentes, são 18 mil usuários por antena e 3,5 mil, na média nacional. Para ela, a Anatel falhou na modelagem do edital do 5G. “Precisava ser mais audaciosa, exigir mais 4G”, avalia.

PUBLICIDADE
Anterior FCC pede que justiça não deixe China Telecom atuar
Próximos KKR pode aumentar preço pela Telecom Italia