5G será uma oportunidade de negócios para além dos games


5G será uma oportunidade de negócio para além dos games

Com cerca de 3 milhões de jogadores em todo o mundo, a chegada do 5G será uma oportunidade de negócios que vai além do mundo dos games. A tecnologia de quinta geração vai modificar a forma como o entretenimento será consumido e vai estimular novas possibilidades das aplicações em outros setores como saúde e educação. Especialistas do setor presentes no painel “Evolution & Reach of 5G Gaming” (Evolução e alcance dos jogos 5G), no MWC22, dizem que a tecnologia de quinta geração trará um mundo de novas apostas e que o 5G era a peça que faltava para os jogos em nuvem.

PUBLICIDADE

Com a tecnologia de quinta geração, que em maior velocidade e baixa latência, maiores transferências de dados e conexões simultâneas, as possibilidades serão inúmeras. “Certamente traz oportunidades para novos modelos de negócios, além de novas experiências que serão criadas com base nessas tecnologias”, ressaltou Jon Wetherall, diretor administrativo da CGA Simulation.

As oportunidades vão desde headsets de realidade virtual, que são usados para detectar sinais de Alzheimer e para treinar cirurgiões em teatros virtuais, até controladores de jogos projetados para serem usados em centros de reabilitação, as possibilidades são infinitas na aplicação de tecnologia de jogos fora do mundo dos jogos.

Nuvem

O 5G era a peça que faltava para os jogos em nuvem. A extensão da nuvem para as redes de 5G será um importante recurso para os fãs de games. Com o 5G, o jogo não precisará mais de um download e passará a ser rodado no que conhecemos hoje como nuvem. “Atualmente, isso é um grande desafio para as conexões que temos disponíveis, além da necessidade da baixa latência”, disse Umer Chaudhary, gerente de produtos da Amazon Web Services.

Metaverso

Não é possível falar de 5G e do desenvolvimento da indústria de games sem abordar metaverso, a palavra do momento no mundo da tecnologia, e outras tendências digitais. Para Priscilla Campillo, gerente de mercados emergentes da Niantic, no metaverso tudo é possível. Ele pode construir o futuro e vai criar o verdadeiro mundo. “O conteúdo interativo e imersivo tem o poder de transformar empresas e oferecer experiências de consumo que definirão as indústrias de mídia e jogos nos próximos anos”.

O metaverso não será uma cópia da nossa realidade, mas um universo paralelo e autônomo e por isso, criar produtos, experiências e até marcas para este “universo” é um caminho para os novos modelos de negócios.

A jornalista viaja a convite da Huawei

PUBLICIDADE
Anterior AI promete avanços significativos para a Saúde em 2022
Próximos No Norte, TIM vai usar satélites da Intelsat para levar sinal 4G