5G para SLP ainda é tema de debates entre Anatel e Anac


Vinicius Caram, Superintedente da Anatel - Divulgação
Vinicius Caram, Superintedente da Anatel – Divulgação

A Anatel e a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) estão estudando os critérios para uso das faixas de 3,7 GHz e 3,8 GHz para redes privativas indoor e outdoor, utilizando a tecnologia 5G. A preocupação, informou o superintendente de Outorga e Recursos à Prestação (SOR), Vinicius Caram, é de interferência nos radares de aeroportos. Ele abriu o evento sobre IoT e Redes Privativas realizado pelo Tele.Síntese, que acontece nesta segunda-feira, 29, e terça-feira, 30.

Segundo Caram, no Brasil, as redes 5G nessas faixas serão em potência mil vezes menor que em outros países europeus.

PUBLICIDADE

Nos Estados Unidos o uso dessas faixas, que foi destinado para o serviço móvel comercial, foi interrompido. Ele disse que, além do uso indoor perto dos aeroportos, estão sendo estudadas outras restrições, como a proibição do uso dessas faixas em determinado raio a partir dessas estruturas.

“Todos os cuidados estão sendo tomados para garantir a segurança de voos, a manutenção de vidas”, afirmou Caram.

Lá, o uso outdoor somente será permitido onde não houver aeroportos por perto, afirmou. “Vamos avançar nesses estudos, mas acredito que não serão registradas interferências em razão da baixa potência”, disse. Além das tratativas com a Anac, estão previstas reuniões com representantes da indústria interessados nas faixas.

PUBLICIDADE
Anterior CEO da TIM Brasil assume o comando da Telecom Itália
Próximos Há faixas disponíveis para SLP, faltam modelos de negócios