PORTAL DE TELECOM, INTERNET E TIC

Comportamento

5G cobre 40% da população mundial, estima a UIT

UIT, braço da ONU para telecomunicações, indica que o tráfego da internet e a cobertura da rede 5G cresceram, mas a desigualdade de acesso entre pobres e ricos persiste

Capa do relatório Fatos e Números 2023, da UIT

A UIT, braço da ONU para as telecomunicações, publicou ontem o relatório completo, e revisado com base em nova metodologia, sobre a conectividade global. Segundo a entidade, houve melhora dos índices, no entanto continua a haver um abismo entre os países mais desenvolvidos e os menos desenvolvidos em relação ao acesso à internet.

Os dados apontam que os serviços de banda larga fixa representaram mais de 80% do tráfego global da Internet em 2022. Foi a primeira vez que algo assim aconteceu.

Enquanto nos países ricos a assinatura de banda larga em casa é praticamente universalizada, nos países com baixa renda existe um assinante para cada 100 pessoas. O principal motivo, diz o material, é o preço.

O relatório traz estimativas de infraestrutura, acessibilidade, gênero e localização. A nova metodologia incluiu indicadores para a cobertura global da rede 5G e tráfego de internet.

O tráfego da internet destaca disparidades digitais

Nos países de baixa renda, a análise da UIT revela não só que menos pessoas estão online do que nos de alta renda, mas que as pessoas ligadas utilizam menos dados – o que significa que não atingem todo o potencial da conectividade ou não percebem os benefícios da transformação digital.

Globalmente, a média mensal de utilização de dados foi de 257 GB por assinatura de banda larga fixa, em comparação com 11 GB por assinatura de banda larga móvel em 2022. O tráfego mensal de banda larga fixa em países de baixa renda foi em média de 161 GB, em comparação com apenas 1 GB para dispositivos móveis.

“Há razões para estarmos otimistas, mas a taxa de crescimento é desigual e os novos indicadores sobre a cobertura da rede 5G e o tráfego de Internet destacam as disparidades contínuas entre países de alta e baixa renda, aprofundando a exclusão digital”, disse o Dr. Cosmas Luckyson Zavazava, Diretor do Gabinete de Desenvolvimento das Telecomunicações da UIT.

Cobertura global da rede móvel

O relatório mostra que a cobertura da rede móvel 5G se expandiu para atingir quase 40% da população mundial desde que a implantação comercial começou em 2019.

Tal como acontece com o tráfego de dados da internet, a distribuição é desigual. Embora 89% das pessoas nos países de renda alta estejam cobertas por redes 5G, o serviço está quase ausente nos países de baixa renda.

Para muitos países de baixa renda, o 3G é a principal forma de acesso á internet, porém, é muito limitada. O serviço 4G continua a ser um caminho para uma conectividade significativa, mas atinge apenas 39 por cento da população em países de baixa renda, aponta o documento, disponível aqui.

Dados

O relatório indica que 5,4 bilhões de pessoas, ou 67% da população mundial, utilizam a internet. Na Europa, na Comunidade de Estados Independentes e nas Américas, cerca de 90% da população utiliza a rede. Nos Estados Árabes, na Ásia e no Pacífico, dois terços (66%) acessam a internet. Apenas 37% da população utiliza a internet na África.

A exclusão digital de género persiste. Globalmente, 70% dos homens utilizam a internet, em comparação com 65 por cento das mulheres.

Em todas as regiões, os jovens estão mais conectados do que o resto da população. Em todo o mundo, 79% das pessoas com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos utilizam a internet, 14 pontos percentuais mais do que o resto da população.

A divisão urbano-rural permanece. Este ano, em todo o mundo, 81% dos habitantes urbanos utilizaram a internet, o que é 1,6x mais do que a percentagem de usuários nas zonas rurais.

A posse de celulares é superior à utilização da internet. Globalmente, 78% das pessoas com 10 anos ou mais possuem um celular. Em média, em todas as regiões e em todos os grupos de rendimento, a percentagem de indivíduos que possuem um celular é maior do que a porcentagem de usuários da internet.

As assinaturas de banda larga fixa cresceram a uma taxa média anual de 6,7% na última década. As disparidades de rendimento para assinaturas ativas de banda larga móvel são grandes, com 148 assinaturas por 100 habitantes em países de rendimento elevado, em comparação com apenas 33 por 100 habitantes em países de baixa renda.

Em 2023, tanto a banda larga móvel apenas para dados como a banda larga fixa tornaram-se mais acessíveis em todas as regiões e para todos os grupos de rendimentos. No entanto,nas economias de baixo rendimento, o preço médio de uma assinatura de banda larga móvel de nível inicial equivale a 8,6% do rendimento médio, uma percentagem 22 vezes maior do que nos países de renda elevada (0,4%).

TEMAS RELACIONADOS

ARTIGOS SUGERIDOS



 

Chatbot com IA da Mundiale automatiza vendas dos ISPs em até 84%
ISPs ainda podem contar com envio automatizado de boleto com régua de cobrança para reduzir a inadimplência e com gerenciamento fim-a-fim.