56% dos lares ainda não têm internet no Brasil


O acesso à internet e a tecnologias da informação e comunicação continua concentrado nas classes altas e na zona urbana. É o que mostra a pesquisa TIC Domicílios, divulgada hoje pelo Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e Comunicação (CETIC.br), e Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br).

Mais da metade dos brasileiros (51%, ou 85,9 milhões de pessoas) acessou a internet nos últimos três meses de casa, do trabalho ou de locais públicos. É a primeira vez que o índice supera a metade da população na pesquisa. Na classe A, 98% das pessoas usam a internet, ante 78% na classe B, 49% na C e 17% na D e E. Nas cidades, 56% das pessoas têm acesso, enquanto no campo a proporção é de 21%.

Em compesação, 56% dos lares não têm internet. Dos que têm (43%, ou 27,2 milhões de domicílios), 10% ainda recorrem à conexão discada, 66% à banda larga fixa (34% cabo, 18% DSL, 11% rádio, 4% satélite) e 22% a banda larga móvel, com modem 3G. O restante não soube responder.

A pesquisa identificou que 24,2 milhões de domicílios, com renda familiar até dois salários mínimos, ainda não possuem conexão à web. Na zona rural, 85% das casas (7,5 milhões) não têm internet. O motivo principal apontado pelos entrevistados é a ausência oferta de acesso por parte de operadoras nestes locais. A base de domicílios considerada é de 62,8 milhões.

O CETIC também identificou uma concentração etária no uso da internet. 77% das pessoas que acessaram a web nos últimos três meses tinha 24 anos ou menos. Segundo o centro, há 45,1 milhões de pessoas com 45 anos ou mais que não acessam a rede.

Celular
De acordo com o estudo, o Brasil tem 143 milhões de usuários de celular, ou 85% da população. Este dispositivo têm penetração maior nas classes mais baixas que os computadores. 69% das pessoas das classes D e eE usam o celular. Nas classes A, B e C o uso passa dos 85%.

As disparidade entre usários de celular residentes na cidade e no campo é menor do que a vista entre casas com conexão à internet. 87% das pessoas nas cidade têm celular. Na zona rural, são 73% rural. O celular é usado principalmente para conversas e troca de SMS.

Quando o assunto é uso da internet pelo telefone móvel, a proporção diminui. 52,5 milhões de pessoas acessam a internet pelo celular, o que equivale a 31% dos brasileiros. O número aponta crescimento de mais de 30% em relação a 2012, quando 20% dos brasileiros acessavam a web pelo dispositivo. A diferença de acesso por classe social persiste. 69% da classe A acessa a internet pelo celular, 48% da classe B, 29% da C, e 11% da D e E.

Dos entrevistados, 45% afirmaram que não acessam a internet por limitações do dispositivo, um indicativo de que ainda não migraram para smartphones, afirmam os pesquisadores do CETIC. Entre os que praticaram acesso móvel, 75% usaram 3G/4G, 62% utilizaram WiFi.

Computador
As diferenças por classe e local de moradia também impactam o uso de computador. A pesquisa aponta que há 30,6 milhões de domicílios (49%) com computador (desktop, notebook, netbook ou tablet). O número é maior que os 46% de 2012. Na classe A, 98% das casa têm computador, na B são 86%, na C, 46%, e nas D e E são 10%. Na comparação entre zona urbana e rural, temos 53% de máquinas nas casas das cidades, e 21% nas do campo.

“O cenário de disparidade por classe social e por zonas demográficas é persistente em toda a história da pesquisa, desde quando começou a ser realizada”, ressaltou Alexandre Barbosa, do CETIC.br.

A pesquisa foi realizada entre setembro de 2013 e fevereiro de 2014. Foram ouvidas 16.887 pessoas em 350 cidades de todo o país. A metodologia escolhida foi de entrevistas presenciais, domiciliares, com questionário estruturado. O estudo completo pode ser acessado no site do CETIC.

Anterior Mark O'neill: APIs dão segurança ao BYOD
Próximos Brasil tem mais um competidor no mercado de satélite