50 Aeroportos nos EUA serão zonas isoladas de 5G


50 Aeroportos nos EUA serão zonas isoladas de 5G. Crédito: Freepik
Crédito: Freepik

Os Estados Unidos terá 50 aeroportos com zona livre de 5G assim que as operadoras ligarem o serviço de quinta geração a partir do dia 19 de janeiro, anunciou a Administração Federal de Aviação (FAA) do país. A medida objetiva evitar maiores riscos de perturbação.

Fatores como volume de tráfego, quantidade de dias com visibilidade baixa e localização geográfica definiram os aeroportos sem a 5G. Entre eles o Aeroporto Internacional de Los Angeles, de O’Hare, em Chicago, e de Dallas/Fort Worth. Os três estão entre os maiores aeroportos dos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

As operadoras que arremataram faixas destinadas à 5G concordaram também em desligar transmissores e fazer outros ajustes perto dos aeroportos durante seis meses. A intenção é minimizar potencial interferência da 5G em instrumentos de aviação sensíveis utilizados em pousos de baixa visibilidade.

Antes disso, a AT&T e Verizon já haviam adiado a entrega da quinta geração por duas semanas após fechar um acordo de forma voluntária com o setor de aviação. O acordo prevê que o setor de aviação identifique formas de mitigação da interferência em aeroportos prioritários durante o período de vigência do contrato. Como os helicópteros não foram contemplados pelo acordo, as licitantes e a FAA continuarão a trabalhar no assunto.

Esse foi o segundo atraso na rede 5G dos Estados Unidos feita pela AT&T e Verizon a pedido do segmento de aeronaves. O primeiro atraso ocorreu no início de novembro depois que a FAA afirmou que poderia haver potencial interferência das torres de 5G que estão no solo. As operadoras contestaram a necessidade de mais salvaguardas e argumentaram que as evidências não mostram que os sinais do 5G irão interferir nos equipamentos de voo.

O lançamento das redes 5G estava marcado para 5 de dezembro quando 21 entidades de aviação enviaram uma carta pedindo um segundo adiamento. O documento endereçava o Conselho Nacional de Economia (NEC) do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pedindo colaboração entre FAA e Comissão Federal de Comunicações (FCC).

Aqui no Brasil, possíveis interferências do 5G sobre sistemas de controle aéreo também estão sob análise da Anac e da Anatel, que debatem a melhor solução técnica para evitar problemas, como antecipado pelo Tele.Síntese em novembro. (Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Refarming em 900 MHz não pode ameaçar redes do setor elétrico, diz Abinee
Próximos Você já ouviu falar em "escravidão digital"?