19 Estados já se posicionaram sobre novo ICMS para telecomunicações


19 Estados já se posicionaram sobre novo ICMS para telecomunicações
Imagem aérea de São Paulo. Crédito: Freepick

O cumprimento da lei federal que reduz o ICMS para telecomunicações divide os Estados. Enquanto a maioria questiona a constitucionalidade da norma, um grupo de governadores já implementou o desconto. O Tele.Síntese levantou o atual cenário e detalha as ações que tramitam na Justiça.

Sancionada na última quinta-feira (23), a Lei Complementar nº194 de 2022 inclui no rol de bens e serviços essenciais aqueles referentes à comunicações, energia, combustíveis e transporte coletivo. Desta forma, os setores não podem ser tributados com alíquota padrão, utilizada para itens supérfluos. A tributação reduzida fica entre 17% e 18%.

PUBLICIDADE

Os primeiros Estados a regulamentarem a lei, nesta segunda-feira, 27, foram Goiás, fixando em 17% e São Paulo, reduzindo para 18%. Ainda nesta semana, Espírito Santo anunciou alíquota de 17% a partir de 1º de julho.

Ontem, 29, a Assembleia Legislativa de Rondônia aprovou uma lei enviada pelo Executivo local que reduz o ICMS para telecomunicações dos atuais 35% para 17,5%. A medida depende apenas da sanção do governo local para começar a valer, com precisão de oficialização já nos próximos dias

Outros três estados, Santa Catarina, Minas Gerais e Paraná, anunciaram que vão aderir à lei complementar e estão já elaborando a norma local que vai homologar os descontos.

Veja a situação nos estados:

Estados contrários vão ao STF

Uma Ação Direta de Constitucionalidade (ADI) em nome de 12 estados questiona a legitimidade da lei federal que reduziu o ICMS junto ao Supremo Tribunal Federal (STF). Na peça, o Colégio Nacional de Procuradores Gerais dos Estados e do Distrito Federal (Conpeg) representa Pernambuco, Maranhão, Paraíba, Piauí, Bahia, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Sergipe, Rio Grande do Norte, Alagoas, Ceará e Distrito Federal.

Segundo os estados, a lei ofende a separação dos Poderes e a autonomia financeira dos estados e onera de forma desproporcional os entes da federação. O grupo alega que o ICMS foi responsável por 86% da arrecadação em 2021.

A ação ainda cita decisão do Supremo que adiou para 2024 os efeitos de outra medida que já havia incluído telecomunicações e energia o rol de serviços essenciais. A decisão ocorreu em dezembro de 2021. No entanto, a lei federal publicada neste mês faz com que os efeitos da liminar sejam inválidos.

STF dará a palavra final

Ao todo, há três processos no Supremo que questionam os efeitos da lei que reduziu o ICMS. Há possibilidade do Plenário, em julgamento futuro, analisar as três conjuntamente. Até a última atualização desta reportagem, seguem separadas. Saiba quais são cada uma delas:

ADI 7195 - A ação protocolada pelo Conpeg (ADI 7195) questiona a lei como um todo, incluindo o setor de telecomunicações, e pede a inconstitucionalidade. O processo está sob a relatoria da ministra Rosa Weber.

Nesta semana, a entidade pediu a transferência da responsabilidade do julgamento para o ministro Gilmar Mendes, que está tratando de outra ação também contrária à lei. No entanto, nesta quarta, 29, o presidente do STF, Luiz Fux, entendeu que as matérias tratam de temas diferentes e manteve Weber cuidando da ADI 7195.

ADPF 984 - A Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), os governos de todos os estados buscam acordo com o governo sobre os termos para redução do ICMS que incide especificamente sob os combustíveis.

Houve um encontro na terça-feira (28), que terminou sem conclusão. Inicialmente, o ministro deu prazo de 24 horas para que os envolvidos se manifestassem sobre propostas. A Advocacia Geral da União (AGU) pede que haja uma prorrogação desse prazo em 30 dias.

ADI 7164 - Protocolada pelo Comitê Nacional de Secretários de Fazenda, Finanças, Receita ou Tributação dos Estados e do Distrito Federal (Comsefaz) um dia antes da conclusão da votação da lei complementar no Congresso, a Ação Direta de Inconstitucionalidade solicitou que o governo os parlamentares avaliassem a proposta de governadores de modular a vigência da redução do ICMS.

Ao analisar o caso, o ministro André Mendonça concedeu liminar que uniformiza a alíquota de combustíveis entre os Estados a partir de julho. No entanto, não citou nenhum efeito que afete especificamente as telecomunicações, apesar de constar no pedido do Comitê. O caso ainda deve ser analisado pelo Plenário do Supremo.

PUBLICIDADE
Anterior Consumidores europeus dizem que Google engana usuários na configuração para abertura de conta
Próximos Abinee apoia decisão da Anatel sobre requisitos técnicos para redes privadas