Comitiva do Brasil nos EUA conhece rede privativa 5G em 700 MHz


Nas visitas, o BID anunciou linha de crédito de mais R$ 1 bilhão para o Brasil, além de outra linha de R$ 1 bilhão que já oferecia para expansão de redes. O novo dinheiro poderá ser acessado para investimentos de conectividade na Amazônia.

Ministro está em viagem aos Estados Unidos com comitiva que inclui integrantes do TCU

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, conheceu ontem, 9, durante missão oficial aos Estados Unidos, a solução de rede 5G standalone privativa implementada no governo dos EUA. A demonstração foi feita pela Nokia. A empresa utilizou a faixa de 700 MHz, a mesma que já foi destinada no Brasil para a rede privativa de uso dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

PUBLICIDADE

A rede de 5G testada apresentou capacidade para até cem mil assinantes. Cada estação tem capacidade para 400 usuários, simultaneamente. Com 50 desses aparelhos é possível cobrir a área do Plano Piloto, em Brasília, mas seriam necessários também dongles, que são modens para serem plugados em computadores.

Essa cobertura da rede privativa móvel, limitada ao Distrito Federal, é prevista no edital do leilão 5G, a ser realizado este ano pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Investimento

Também nesta quarta Faria acertou com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) mais US$ 1 bilhão em recursos para inclusão digital, em negociação com o presidente do BID, Mauricio Claver-Carone. Com isso, o Governo Federal contará com até US$ 2 bilhões para investimentos, incluindo US$ 1 bilhão para a Região Amazônica.

O dinheiro é para financiamento, o que depende de solicitação de provedores e operadoras. As condições para uso do montante não foram especificadas.

Além de Faria, a comitiva que está nos EUA para conhecer redes privativas 5G, se reunir com autoridades de segurança e comércio do país e conversar com investidores reúne integrantes do Tribunal de Contas da União (TCU), do Ministério da Defesa, das Relações Exteriores, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), da Secretaria-Geral e da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República e do Senado.

Anterior MVNO aposta em nicho político e busca atrair simpatizantes da esquerda
Próximos Cividanes: Baixo investimento e a (in)segurança da informação nas empresas