Xiaomi inicia vendas no varejo


Leo Marroig, diretor da Xiaomi para a América Latina, Hugo Barra, vice-presidente internacional, e Rafael Steinhauser, da Qualcomm
Leo Marroig, diretor da Xiaomi para a América Latina, Hugo Barra, vice-presidente internacional, e Rafael Steinhauser, da Qualcomm

A Xiaomi começou hoje, 01, a vender seus produtos também nos sites Americanas.com, Shoptime e Submarino. Segundo a empresa, a novidade “representa mais um passo da Xiaomi em seu crescimento e estabelecimento no mercado brasileiro”.

A companhia entrou no mercado brasileiro em meados do ano, com vendas apenas por site próprio. Logo depois, fechou uma parceria com a Vivo para exposição e venda dos aparelhos em lojas físicas da operadora. Agora, amplia os canais de venda online, seguindo estratégia feita em outros países. Na Índia, por exemplo, e empresa entrou no mercado através do site parceiro Flipkart antes de começar a vender em seu próprio canal.

“Ao longo do tempo, a Índia também adicionou a Amazon como canal de vendas. Já na China, assim como no Brasil, as vendas começaram no site oficial e, mais tarde, chegaram a outros sites de e-commerce”, lembra a empresa, em nota. O Redmi 2 Pro é o primeiro produto a ser vendido varejo online brasileiro, por R$ 729 em até 10 vezes.

PUBLICIDADE

Além da parceria coma B2W, dona dos e-commerces mencionados, a Xiaomi continua vendendo no site Mi.com. “Cada plataforma oferece vantagens diferentes para o cliente. Com mais opções, ele pode escolher a que o agrada mais e ter a melhor experiência de compra possível”, avalia Leo Marroig, diretor-geral da Xiaomi para a América Latina.

“Tanto no Brasil quanto nos outros países onde atuamos, nossa estratégia é a de observar, testar o mercado e ouvir nossos Mi Fãs para implantar novas ideias”, comenta Hugo Barra, vice-presidente Internacional da Xiaomi. “A disponibilidade de nossos produtos nesses novos canais é o resultado desta prática constante”, finaliza. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Consultoria é contrária a proposta da Vivendi para a Telecom Italia
Próximos Satélites de banda Ka têm espectro preservado e investimentos garantidos