WiMAX: CPqD transferirá tecnologia em 2008


O CPqD, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações, prepara a transferência para a indústria nacional de solução wireless com a tecnologia WiMAX. Com o objetivo de desenvolver uma infra-estrutura de acesso sem fio para banda larga e promover a universalização do serviço no país, a fundação fornecerá tecnologia de equipamentos WiMAX e sistema de …

O CPqD, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações, prepara a transferência para a indústria nacional de solução wireless com a tecnologia WiMAX. Com o objetivo de desenvolver uma infra-estrutura de acesso sem fio para banda larga e promover a universalização do serviço no país, a fundação fornecerá tecnologia de equipamentos WiMAX e sistema de gerência de rede e serviços para a indústria. A primeira fase do desenvolvimento já foi concluída, e os primeiros produtos baseados na tecnologia têm previsão de chegada ao mercado no primeiro semestre de 2008.
 
Desenvolvido com recursos do Funttel (Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações), a atividade do CPqD nas tecnologias de rádio-acesso teve origem há três anose o projeto de desenvolvimento do sistema WiMAX teve início em 2007, o que resultou em uma tecnologia flexível e de baixo custo operacional, capaz de atender os requisitos necessários para viabilizar sua implantação e operação no Brasil. Ela integra o padrão de redes WiMAX, com redes Ad Hoc e Wi-Fi Mesh, desenvolvido rigorosamente com base no padrão IEEE 802.16e, sendo capaz de atender ao mercado internacional.
 
Composta de estações rádio-base (ERBs), estações de assinante e sistema de gerência de rede e serviço, a solução que será transferida suporta serviços de vídeo, voz e dados para atendimento de áreas urbanas e rurais, bem como áreas mais remotas do Brasil. Com isso, a solução oferecida cobre toda a infra-estrutura de rede sem fio. Nesta primeira fase, a tecnologia já disponível – pronta para ser transferida para as empresas que vão fabricar os equipamentos – contempla ERBs padrão WiMAX na freqüência de 3,5 GHz, terminais de assinantes com interfaces WiMAX (3,5 GHz), acesso Wi-Fi (5,8 GHz, 2,4 GHz e 900 MHz) para o usuário e sistema de gerência de rede e serviço.
 
Além de integrar diversos padrões de rede sem fio, a solução pode operar em múltiplas faixas de frequência, o que permitirá sua utilização em diferentes tipos de serviços. Com a intenção de adequar-se aos diversos cenários de operação e de demandas por serviços de banda larga em todo país, diversas faixas serão implementadas: no intervalo de 200MHz e 5,8 GHz, para enlaces ponto-multiponto; faixa 10,5 GHz para enlaces backhaul ponto-a-ponto; e de 2,5 GHz e 3,5 GHz para grandes operadoras de telecomunicações. A TV Digital também será beneficiada pela tecnologia, que pode permitir o tão desejado canal de interatividade, quando alcançar faixas de 450 MHz e 700 MHz. (Fonte: assessoria de imprensa, CPqD)

Anterior Desindustrialização: sinal amarelo.
Próximos Um mar de PCs