Wayra inicia nova seleção de startups


crowdworking telefonica open future inatel ericsson
Crowdworking da Telefónica Open Future criado em parceria com a Ericsson e o Inatel.

A Wayra, iniciativa ligada ao Telefónica Open Future, programa de inovação aberta do Grupo Telefónica, abriu inscrições para um novo processo seletivo. Serão escolhidas startups de base tecnológica para receberem investimento e participarem de um programa desenvolvimento por 12 meses. As inscrições vão até o dia 4 de dezembro, neste link.

Segundo Renato Valente, country manager do Open Future, a procura é por startups que resolvam problemas reais e que tenham possibilidade de fazer negócios tanto com a Vivo como com outras grandes empresas. Os segmentos são diversos: Cloud Computing, Segurança, IoT (Internet das Coisas), Big Data, Inteligência Artificial, Machine Learning, Blockchain, Smart Wifi, Fintech, Lawtech, Agtech, E2E (end to end), Mobile e Games.

As startups selecionadas receberão investimento de pelo menos U$ 50 mil. Também terão acesso a infraestrutura completa da operadora, treinamentos, consultorias individuais, acesso a mentores executivos da Vivo, a investidores e à rede global da Wayra, que conta com 11 academias pela Europa e América Latina. Como contrapartida, a incubadora terá participação acionária minoritária das empresas investidas.

Um comitê formado por especialistas do mercado e membros do Open Future escolherá as startups, que iniciarão o programa de aceleração no começo de 2018. Além de analisar o grau de desenvolvimento do produto ou serviço, sua validação no mercado e o seu modelo de negócio, o comitê avaliará principalmente os sócios, se a empresa tem um produto rodando ou em teste, algum cliente pagante e a equipe responsável pelo projeto.

Em cinco anos de atuação, a Wayra apoiou 64 startups no Brasil e investiu cerca de R$ 10 milhões. A cada R$ 1 investido pela Wayra, investidores colocaram outros R$ 10 nas startups, calcula.

Anterior Instalação do cabo submarino Brasil-Angola deve ser concluída este ano
Próximos Conselho da Qualcomm rechaça oferta hostil de aquisição. Broadcom mantém proposta.