O presidente do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), Wardner Maia, foi reconduzido ao cargo de diretor do LACNIC, órgão que gere o endereçamento da internet da América do Sul e Caribe.  Ele teve 685 dos 1.907 votos e disputou o pleito com outros oito candidatos.

Maia considera que os pilares de sustentação da internet são os padrões técnicos e um modelo de governança distribuído, no qual decisões são construídas com muita discussão entre os países. “Esse modelo, sem dono ou controle central da rede, é o que faz a internet crescer”. Ele observa que é também esta característica que impulsiona a criatividade e faz surgir aplicações cada dia mais inovadoras.

O diretor se preocupa, entretanto, com o futuro e o aperfeiçoamento do modelo e considera que as mudanças que ocorrerão nos próximos anos estarão mais ligadas à estrutura da rede do que à inovação de suas utilidades. “Entramos definitivamente na fase de esgotamento do protocolo IPv4 e, no embalo dos recentes episódios de monitoramento da rede, o atual modelo de governança será muito debatido e certamente sofrerá mudanças importantes”, observa.

Argentina, Chile, Uruguai e Colômbia têm experiências com cooperativas de telecomunicações, implantação de novos protocolos de endereçamento e a neutralidade de rede que, na visão de Maia, devem ser aproveitadas pelo LACNIC como exemplos de sucesso. No Brasil, ele dá ênfase ao modelo regulatório. “A experiência regulatória brasileira deixou florescer mais de 4 mil empresas que hoje consomem mais de 50% das fibras ópticas produzidas no país”, afirma, referindo-se aos provedores regionais de acesso, representados pela Abrint.

A diretoria do LACNIC é composta de 7 membros, que se renovam parcialmente todos os anos. Votam na eleição empresas, universidades e instituições da região da América Latina e Caribe. Esta é a segunda vez que Maia concorre e foi eleito para mais 3 anos de mandato.(Da redação, com assessoria de imprensa)