Vivo se prepara para a oferta de plataforma Multi Cloud


A Vivo vai começar a prova de conceito do serviço multi cloud que terá como base a plataforma da VMware e parcerias com gigantes mundiais, como Amazon Web Services, Microsoft Azzure e Google Cloud Plataform. Mas não é apenas na área de cloud que a empresa está aperfeiçoando sua oferta para o mercado corporativo. Com a crescente demanda por projetos de Big Data, a companhia decidiu trazer ainda este ano para o país a consultoria Synergic Partners, adquirida em 2015 pelo grupo espanhol.

19º Wireless Mundi - Momento Editorial (Hotel Maksoud Plaza, São Paulo) - photo robson regato

Para Luciano Pasqualini, gerente de vendas de Segurança da Informação, a segurança da informação é atualmente um dos atrativos para a migração de sistemas para cloud computing. “Não conheço até agora problemas de perdas de dados, principalmente como o que vimos na semana passada, de quem organizou os dados em clouds públicas”, afirmou o executivo. Ele se refere ao ciberataque global que utilizou o ransomware WannaCry e afetou empresas e o setor público em mais de 100 países. Para ele, um dos principais motivos nas falhas de segurança é o desafio diário da atualização sistêmica, um problema que é superado nos ambientes de nuvem.

Na sua avaliação, a oferta de multi cloud deverá ampliar a procura pelos serviços de computação em nuvem. A empresa já oferece dois serviços de computação em nuvem, o Cloud Plus, também com a tecnologia VMware e tendo ainda como parceiros a Dell, Cisco e Hitachi e a Cloud Open, com a Huawei e plataforma OpenStack.

Ao participar do 19º Wireless Mundi, realizado em São Paulo, Pasqualini também abordou a estratégia de Big Data da operadora. Trata-se de uma aposta global da Telefónica, que além da Synergic Partners, também adquiriu este ano a startup alemã Minodes, especializada nessa área. Mundialmente, a companhia atua em cerca de 200 projetos de Big Data, dos quais 25 estão no Brasil.

Segundo Pasqualini, a Synergic Partners já tem atuado no mercado brasileiro em projetos de Big Data da Vivo. “Mas como os projetos estão aumentando a empresa
achou melhor ter um a consultoria atuando diretamente no país”, ressaltou.

“Nós temos a maior base de dados do mercado, com 73 milhões de clientes móveis em 3757 municípios”, avaliou o executivo. A análise dos dados gerados nessa base permitem insights com base em comportamento real que permitem melhor tomada de decisões, segundo Pasqualini. Um dos projetos que a empresa tendeu foi para o Allianz Parque, a Arena Palmeiras, que encomendou à operadora um estudo comparativo de dados do perfil e procedência do público em dois eventos no local, um jogo na final de campeonato e o show do David Gilmour.

A área pública também tem procurado a operadora para análises de dados relativos a estratégias que pretendem adotar. Esse foi, por exemplo, o caso da Secretaria de Turismo do Espírito Santo, que precisava conhecer a origem e o perfil de todos os turistas que visitam o Estado. A ideia é, com base nessas informações, planejar melhor a realização de eventos, valorização de seus produtos e interação com o público.

Anterior Técnicos do TCU condenam TAC da Telefônica e emparedam dirigentes da Anatel
Próximos Controladora da Nextel Brasil critica gestão de Valim