Vivo quer levar fibra a 15 milhões de casas até 2020


A Vivo pretende encerrar este ano com 9 milhões de residências na área de cobertura de serviços de fibra óptica. Até 2020, a projeção é ter 15 milhões de “homes passed”, ou seja, casas aptas a assinar o serviço. Os números foram passados por Christian Gebara, chief operating officer da Vivo, durante a conferência dos resultados da companhia, nesta terça-feira, 30.

Apenas em setembro, a Vivo cobriu 16 cidades com rede FTTH. Até o final do ano, serão 25. A operadora oferece FTTH em 104 cidades, e IPTV em 98.  “É uma grande aceleração. Achamos que temos o número bom para capturar a oportunidade”, diz. Segundo ele, os investimentos em FTTH vão crescer 17% até o final do ano. Em IPTV, a expansão dos aportes atingirá 6%. Embora o maior volume ainda vá para as redes móveis. A intenção é que o Capex em redes 4G cresça 37% ao final de 2018. A empresa terminou o trimestre com 850 cidades cobertas com 4G.

Ele voltou a dizer que investimentos de TV paga por satélite deixaram de ser prioridade na companhia, que vem preferindo a tecnologia IPTV para oferecer conteúdo televisivo aos clientes. “Estamos reduzindo em 39% o Capex com DTH. Todos os novos clientes terão FTTH com IPTV, essa é a combinação [que buscamos]”, falou.

Novas cidades com fibra

Hoje, a Vivo anunciou a ativação de rede FTTH em mais quatro cidades: Araras, Capivari, Franca, todas no interior paulista; e Poções de Caldas, em Minas Gerais. Estas cidades passam a ter ofertas de acesso fixo de até 300 Mbps e IPTV.

Anterior Quadros acha que lei do SeAC deve mudar, para permitir fusão entre telcos e mídia
Próximos Nextel implanta sistema de entrega expressa de chips

3 Comments

  1. Guilherme
    31 de outubro de 2018

    Investir em VDSL ou FTTH na sua área de concessão (SP capital) eles não querem, a anos espero velocidades maiores que o antigo ADSL e nada!

  2. 4 de novembro de 2018

    Tudo balela, investe em lugares de poder aquisitivo alto enquanto a periferia que mais precisa deixam com a velocidade pífia de 1 ou 2 megas Adsl, rede caindo pedaços, armários amarrado com corda, cabos metálicos tudo caindo, caixa de emendas abertas… Isso que é uma concessão pública… eu lhe pergunto porque existe Anatel? Cabide de emprego? Vergonha deveria perder o direito de ser concessionária do estado de São Paulo.

  3. Mauro
    5 de dezembro de 2018

    Só investe em novas cidades e bairros com alto poder aquisitivo como o amigo disso no comentário acima, aqui na região da grande SP é precário, praticamente só tem disponibilidade do antigo vivo speedy, onde a GVT cabeou praticamente não tem vaga no armário , o cabeamento da GVT dá pra perceber que praticamente abandonaram, caixa que fica no poste conhecido com TAR sem tampa, uns ate caído, logo que a GVT cabeou minha rua e começou a vender os plano eu assinei, não demorou muito já não tinha mais disponível, infelizmente ainda temos que lidar com velocidade de máxima de 15 mbps devido a distância do armário. infelizmente concorrente de peso como a GVT que investiu bastante não somente nos bairros de alto poder aquisitivo e uma agência séria para cobrar melhorias da vivo na área de concessão do estado de São Paulo, fica difícil.