Vivo poderá lançar planos de Internet fixa em 2 anos


Os atuais planos da Vivo não prevêem franquias para o uso limitado de Internet na banda larga fixa. Mas, em dois anos, poderá tê-los. A observação foi feita hoje pelo presidente da operadora, Amos Genish, que acredita que dessa forma será possível equilibrar a oferta entre os que utilizam mais intensamente a rede e os que não são heavy users. Para ilustrar, disse que 4% acessam diariamente 25% da capacidade da operadora e 20% usam 5%.

O executivo participou hoje do almoço-debate realizado pela Lide para discutir transformação digital. Um dia após a aprovação na Câmara dos Deputados da admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, ele foi insistentemente questionado sobre o tema. Mas evitou mais polêmicas, apenas argumentando que é neutro em política e independente de qualquer resultado o que ele deseja é estabilidade econômica. Ressaltando que o ano 2015 foi um dos mais desafiadores, com impacto sobre resultados, mas mesmo assim a indústria de telecom possui certa resiliência. “Nós crescemos 5%”, afirmou.

Para Genish, também é importante que as turbulências políticas não afetem a deliberação de um novo marco regulatório para o país. Na sua avaliação, seja qual for o desfecho para o processo político em andamento o ideal seria que Anatel apresentasse uma proposta até junho. “Essa nova regulamentação é muito importante para o país e para garantir mais investimentos”, afirmou.

Em relação à norma que foi publicada hoje pela Anatel para que as operadoras tenham soluções para que o consumidor possa acompanhar o consumo de suas franquias, Genish apenas comentou que esse é um reforço para o que já existe. E voltou a defender os planos limitados de acesso à Internet como um benefício mais justo para todos os consumidores. Sua linha de defesa é o de que a cobrança pela média de uso, e não pela utilização específica, penaliza os que acessam menos a Internet.

Anterior "Não há internet ilimitada sem custos ", afirma presidente da Anatel
Próximos Netflix ultrapassa a marca dos 80 milhões de usuários

4 Comments

  1. Matheus Dilon
    19 de Abril de 2016

    Limite de franquia, do jeito que se está determinado, é uma falta de respeito com os consumidores do serviço! Se for pra propor, que proponha cotas mais realistas e que busquem realmente apenas “lesar” os super heavy users, aqueles que mantém seus computadores ligados 24h/dia sem parar fazendo upload de conteúdos! O que não dá é uma franquia de 130GB mensais! Pelo amor de Deus!

    Quer uma maneira inteligente de limitar? O uso da internet é igual energia, tem seus horários de pico e horários onde pouco usam. Que passem a limitar o tráfego em horários mais intensos e liberem-o em horário com poucos usuários. As vezes dessa forma se reeducam as pessoas no consumo da rede.

  2. Vagner Ornelas
    19 de Abril de 2016

    Mais uma conversa pra boi dormir… enquanto isso a operadora Vivo fica se gabando que tem o 4G mais rápido do país, Cabo Submarino X,Y,Z… E os usuários ficando cada vez mais limitados. Tem alguma coisa muito estranha nessa história ! Aos meus olhos as operadoras estão empurrando a conta da desvalorização do real frente ao dólar para os usuários, alguém me prova o contrário por favor ?

    • Matheus Dilon
      19 de Abril de 2016

      É bem por aí, Vagner! É o dólar e o sucesso dos OTT!

  3. Renato
    19 de Abril de 2016

    NÃO EXISTE MOTIVO LÓGICO OU FÍSICO, PARA LIMITAR A INTERNET FIXA OU ATÉ A MÓVEL!!!

    Se for seguir a lógica desse “presidente da Anatel”, as empresas de energia poderiam lhe envia só 20 megawatts, depois de você acender 100 lâmpadas por mês.

    ESSE JOÃO REZENDE É UM PEEETIIIIISSTAAAA!!!!