Vivo mostra soluções de IoT que usam rede de 450 MHz


Foto: Projetado pelo Freepik
Foto: Projetado pelo Freepik

As empresas Vivo, Raízen e Ericsson, com apoio da EsalqTec, apresentaram durante a última semana, em Piracicaba, interior do estado de São Paulo, as primeiras soluções para o agronegócio com foco em telemetria de maquinário, pecuária e previsões climáticas.

Os projetos foram desenvolvidos por startups que compõe o programa Agro IoT Lab, iniciado em janeiro de 2019, com a divulgação das seis iniciativas selecionadas para o desenvolvimento de soluções e aplicações em IoT no agronegócio, utilizando a frequência de 450 MHz e direcionadas para operar nas redes Narrow Band IoT (NB-IoT) e Long Term Evolution for Machines (LTE-M) – lançadas oficialmente pela Vivo em 19 de março deste ano.

A IoTag, empresa de telemetria de maquinário e manutenção preditiva, apresentou seu projeto de trator conectado com foco na redução do consumo de combustível. A solução capta informações em tempo real, dando ao agricultor autonomia na gestão e controle de seu maquinário no campo.

“O uso da frequência de 450 MHz possibilita que o agricultor faça toda essa gestão em uma área de cobertura maior. As primeiras demonstrações de uso ratificaram a frequência como o grande diferencial de transformação digital do campo, em especial quando associado à aplicação do IoT, ampliando em quase 2.5 vezes o mapa de cobertura quando comparado com a faixa de 700MHz”, pontua Rogerio Loripe, vice-presidente da Ericsson para a Vivo.

A Ativa Soluções, com foco em soluções M2M para telemetria e gerenciamento remoto, apresentou sua estação meteorológica dedicada à coleta, armazenamento, processamento, e transmissão de dados de todos os sensores conectados ao aparelho, podendo medir: precipitação de chuva, velocidade e direção do vento, radiação solar, temperatura e umidade relativa do ar, umidade do solo, nível e vazão de rios e lagos, pressão atmosférica e qualidade do ar e da água.

A @Tech, empresa de soluções tecnológicas para a agropecuária de precisão, apresentou o BeefTrader Premium, uma plataforma (software) inteligente para a tomada de decisão que monitora e prediz o lucro do pecuarista, indicando o Ponto Ótimo de Negociação (PON). A solução calcula o lucro a partir da eficiência da operação do confinamento, do acompanhamento do desempenho animal e da análise de mercado.

No total, seis startups fazem parte do Agro IoT Lab – programa de desenvolvimento de aplicações IoT para o campo – e foram selecionadas dentre 49 projetos que aplicaram ao edital convocatório. Os selecionados contam com acesso ao campo de prova nas áreas produtivas da Raízen, têm acesso ao espaço compartilhado do Pulse – hub de inovação da Raízen – com toda a sua infraestrutura de mentoria, workshops, networking e treinamentos aplicados ao agronegócio, e contam também com a possibilidade de receber investimentos da Wayra – hub de inovação aberta da Vivo -, responsável por toda metodologia de aceleração e processo de seleção das startups. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Anatel inicia nesta quinta-feira ajuste do cadastro de pré-pagos
Próximos Vero, provedor mineiro de banda larga, nasce com 150 mil assinantes