Visa quer levar a tecnologia contactless para os pedágios


A empresa de tecnologia de soluções de pagamento Visa tem investido fortemente no meio de pagamento por aproximação, e registrado um crescimento exponencial nos últimos dois anos no Brasil. Em setembro de 2019, quando encerrou seu ano fiscal, contabilizou 4 milhões de transações mensais na modalidade contacless, volume puxado pelo uso dos cartões no metrô do Rio. A empresa também participou de um piloto da SPTrans em 200 ônibus na cidade de São Paulo.

“Para nós, o grande divisor de água foi o uso da tecnologia no transporte público. Agora estamos trabalhando o serviço de pedágio”, disse ao Tele.Síntese o vice-presidente de Soluções e Inovação da Visa do Brasil, Percival Jatobá. No Rio, as 41 estações do metrô estão validadas para pagamento por aproximação com cartões de todas as bandeiras. Com a tecnologia NFC (Near Field Communication), o pagamento de passagens pode ser feito por meio de celular, cartão de crédito, pulseira e relógio. Os passageiros não precisam comprar ou recarregar um bilhete específico do metrô. Basta ir a um dos validadores e aproximar o cartão de crédito pessoal ou o dispositivo móvel com a tecnologia NFC e a cobrança da tarifa é debitada diretamente na fatura, sem custo adicional ou taxas, ao final de cada dia de uso. A nova modalidade de pagamento, desenvolvida pelo MetrôRio e pela Visa, contou com a parceria do Banco do Brasil, Bradesco e Cielo.

No transporte público de São Paulo, os testes foram realizados com 200 ônibus de 12 linhas na Capital. De acordo com Percival, a SPTrans já manifestou o interesse em expandir a tecnologia para toda a frota de 15 mil ônibus que circulam pela cidade.

Além do setor de transporte, a Visa aposta na adesão ao pagamento por aproximação em supermercados, drogarias, lojas de conveniência e nas máquinas de venda automática. E investe fortemente para levar o contactless para os pedágios. Este setor movimenta R$ 20 bilhões/ano no país, a metade paga em dinheiro. “O pedágio automático atingiu seu limite de penetração e a próxima fronteira é o pagamento com a tecnologia contactless”, afirma Percival.
Na sua avaliação, o sucesso do pagamento por aproximação se deve a dois eventos: a adesão dos bancos incumbents (Banco do Brasil, Bradesco, Itaú e Santander estão entre os que já aderiram a nova modalidade de pagamento) e aos bancos digitais, que já nascem com essa característica embarcada com sua proposta de valor.

“A Visa tem trabalhado com bancos, fintechs e varejistas para massificar a distribuição e uso dos cartões por aproximação”, comenta o VP. O volume de POS no país, 7,831 milhões em 2018 (dados do Banco Central), deve impulsionar ainda mais o crescimento dessa modalidade de pagamento.

Anterior PL da Câmara cria o marco legal da Inteligência Artificial para atender OCDE
Próximos Macêdo Filho: A nova Lei de Informática e seus impactos imediatos

1 Comment

  1. Érica
    8 de Fevereiro de 2020
    Responder

    Infelizmente, os ricos só pensa nos ricos mesmo. Pq vcs já pararam para pensar que com essa tecnologia, quantos pais e mães de família, ficará desempregados.. Por isso que aumenta cada vez mais roubos, assaltos, pq de vez gerar mais empregos, não ficam só pensando em dinheiro.. Pq não usam essa inteligência para gerar emprego, seria mais proveitoso. Dinheiro não entra no céu, seus milhões ficaram, fora do caixão…

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *