Vídeo representará 70% do tráfego móvel no mundo, em cinco anos


shutterstock_PeshkovaV_Device_telefonia_movel_celular_tecnologia_tendenciaO tráfego de vídeo será o maior responsável pela ocupação da capacidade de transmissão de dados das operadoras móveis em 2021. Até lá, 70% de tudo o que trafega nas redes será vídeo, conforme dados do mais recente Mobility Report, estudo trimestral da Ericsson sobre telefonia, banda larga e infraestrutura, publicado hoje, 17

Neste ano, o vídeo já representa metade do tráfego móvel mundial, enquanto o acesso a redes sociais contabilizam 15% do tráfego. Em 2021, o acesso a redes sociais representará 10%. Segundo a Ericsson, o consumidor já tende a preferir o consumo de vídeo e conteúdo por apps a realizar a navegação tradicional por sites na internet, e isto irá se aprofundar.

O único dado que mostra a posição do Brasil em relação a outros países na pesquisa diz respeito ao uso de app. Na América Latina, o aplicativo mais usado é o WhatsApp, seguido de Youtube e Chrome. No Brasil, porém, há mudança na segunda posição, com o Chrome sendo o segundo colocado. “Provavelmente porque o navegador traz diversas seções, inclusive o acesso direto ao site de vídeos”, acredita Jesper Rhode, diretor de Marketing da Ericsson na América Latina.

Tráfego móvel
As projeções não se resumem apenas aos acessos. O Mobility Reporte também prevê que impacto gigantesco sobre a capacidade das redes dos próximos cinco anos. A pesquisa indica que o tráfego mensal por usuário vai crescer 35% ao anos, passando da média mundial atual de 1,4 GB consumidos para 8,5 GB. Nos computadores, o tráfego consumido passará de 5,8 GB ao mês para 20 GB ao mês. E nos tablets, de 2,6 GB, para 9,7 GB. Na América Latina, o tráfego móvel por smartphone vai crescer dos atuais 1,2 GB ao mês para 6 GB ao mês.

O tráfego móvel total vai crescer dos atuais 5,3 exabytes para 51 exabytes (um exabyte equivale a pouco mais de 1 bilhão de gigabytes). Isso representa crescimento composto de 45% ao ano. Já o tráfego por redes fixas vai crescer 20% CAGR, de 60 exabytes mensais de hoje em dia, para 150 exabytes ao mês em 2021.

Redes
O crescimento exponencial do tráfego em vídeo exigirá das operadoras investimentos para aumentar a capacidade das redes. Mas, segundo o Mobility Report, a tecnologia de backhaul que irá se destacar no período será a microondas, e não a fibra. Até 2020, 65% dos sites serão conectados por microondas, com capacidade de transmissão de até 40 Gbps.

“Para levar as redes ao interior e área menos povoadas, a fibra não compensa. Será, usada, mas concentrando-se na última milha, embora sua capacidade de transmissão seja muito maior”, observa Rhode. Segundo ele, o Brasil está preparado para seguir esta tendência, graças à liberação das bandas de 70 GHz e 80 GHz pela Anatel.

A pesquisa também aponta o uso de tecnologias que começam a ser comercialmente integradas às redes atuais, como a virtualização de funções e arquitetura definida por software, como essenciais para a derrubada dos custos com aperfeiçoamento da rede e de criação e lançamento de novos produtos pelas operadoras. Tecnologias como WiFi Calling e VoLTE devem despontar no período, e são apontadas por consumidores ouvidos pela Ericsson como responsáveis pelo abandono de serviços OTT e retorno aos serviços tradicionais das telcos.

Anterior América Latina vai registrar 100 milhões de novos acessos móveis até 2021
Próximos Polícia Rodoviária implementa o Sistema Eletrônico de Informações