Vendas líquidas da Nokia crescem 16%


No quarto trimestre de 2005 (4T05), o faturamento líquido da empresa foi de 10,3 bilhões de euros, 9% maior do que o do trimestre anterior (3T05) e, no exercício, totalizou 34,2 bilhões de euros, 16% acima do obtido em 2004. A empresa divulgou seus resultados hoje, 26. Telefones móveis representaram 60% das vendas líquidas no …

No quarto trimestre de 2005 (4T05), o faturamento líquido da empresa foi de 10,3 bilhões de euros, 9% maior do que o do trimestre anterior (3T05) e, no exercício, totalizou 34,2 bilhões de euros, 16% acima do obtido em 2004. A empresa divulgou seus resultados hoje, 26.

Telefones móveis representaram 60% das vendas líquidas no 4T05, alcançando 6,2 bilhões de euros (+ 6% sobre o 3T05) e, no ano, 20,8 bilhões de euros (+16%). Entretanto, foi a área de produtos multimídia que teve maior expansão anual: 63%, e respondeu pela segunda maior contribuição para o faturamento líquido: 2 bilhões de euros (20% das vendas líquidas totais) no 4T05, e 6 bilhões de euros no exercício de 2005.

As vendas do segmento de infra-estrutura de redes foram de 1,95 bilhão de euros no trimestre (- 4%) e 6,6 bilhões de euros no ano (+ 2%).

Lucro

O lucro operacional da Nokia caiu 6% no 4T05 e cresceu 7% no ano, para 4,3 bilhões de euros. O resultado foi influenciado pelo recuo trimestral e anual do lucro operacional dos negócios com terminais móveis e infra-estrutura de rede.

No ano passado, a margem operacional de 13,6% foi menor do que a de 2004. Entre todos os segmentos de negócios, no exercício, a margem operacional mais elevada foi no de terminais (17,3%), e o pior resultado no de soluções empresariais (- 30%).

O lucro líquido da Nokia foi de 1,1 bilhão de euros no 4T05 (- 1%) e de 3,6 bilhões de euros no ano (+ 13%).

Participação

No 4T05, segundo a empresa, a indústria de equipamentos móveis produziu 244 milhões de terminais, 23% a mais do que no trimestre anterior e 25% acima de 2004. E a Nokia, 84 milhões de unidades, 26% a mais do que no 3T05 e 27% a mais do que no ano passado.

A participação de mercado da Nokia no segmento de telefones móveis atingiu 34% no último trimestre de 2005, 1% acima da posição do trimestre anterior e no mesmo nível de 2004.

China lidera

Por área geográfica, o mercado para terminais móveis de maior dinamismo para a Nokia foi o chinês: crescimento anual de 64%. Em volume de telefones vendidos, a liderança foi da Europa: 30 milhões de unidades, 36% dos 84 milhões de terminais comercializados (veja tabela).

Vendas de terminais móveis por área geográfica

Milhões de unidades  4T2005  4T2004  Variação anual (%)  3T2005  Variação trimestral (%) 
 Europa  29,9  24,3  23  22,3  34
 Oriente Médio e África  10,3  8,5  20  9,9  4
 China  9,5  5,9  64  8,5  12
 Ásia-Pacífico  14,8  10,4  42  12,6  18
 América do Norte  9,8  8  22  5,8  69
 América Latina  9,4  9  4  7,5  26
 TOTAL  83,7  66,1  27  66,6  26

Fonte: Nokia

Na China, que já é o maior mercado celular do mundo, a base de assinantes do serviço móvel cresce ininterruptamente: 393,4 milhões em dezembro, segundo o Ministério chinês da Indústria da Informação, número que pode alcançar 440 milhões no final deste ano. De acordo com a Nokia, o que impulsionou o seu forte avanço no país foi seu amplo leque de produtos e extensivo sistema de distribuição.

Recuo na AL

Na área de terminais móveis, enquanto ganhou market share nos EUA, na região Ásia-Pacífico (destaque para a Índia) e na China, no 4T05 a participação permaneceu praticamente inalterada na Europa, e caiu no Oriente Médio e África, e na América Latina. As vendas diminuíram nessa última região, onde a Nokia “continua a perder participação nos maiores mercados”, informa o relatório da companhia. Por outro lado, na região, foram fortes as vendas de infra-estrutura de redes.

Os preços médios de venda de telefones móveis Nokia caíram 3% no 4T05, em comparação com o anterior, e 11% no ano. A empresa explica esta queda em função do peso das vendas de modelos mais baratos em determinados mercados. Esse declínio, analisa a fabricante, é consistente com a tendência verificada no conjunto da indústria, o que está ligado ao aumento de volumes em mercados emergentes.

Anterior Confusão na regulamentação do 102
Próximos Projeções positivas para TIM Participações e NET Serviços