Usuários pré-pagos devem atualizar cadastro em 17 estados até dia 18


Consulta de linha pré-paga pode ser feita pelo CPF / Foto: Anatel

Os consumidores de linhas móveis pré-pagas em 17 estados têm até o dia 18 de novembro para recadastrar e atualizar seus dados, sob risco de bloqueio do serviço. É o que prevê campanha lançada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e seis operadoras para combater irregularidades nos cadastros de forma a prevenir prática de crimes com o uso da telefonia dos aparelhos.

Trata-se da terceira fase preparativa ao lançamento, em 6 de janeiro de 2020, do Portal de Consulta de Linhas Pré-Pagas, cujo endereço  cadastropre.com.br está em construção e será finalizado amanhã, 6. Com essa ferramenta, os consumidores poderão verificar a existência de linhas móveis pré-pagas ativas cadastradas em seu CPF, em cada prestadora, de modo a evitar a ocorrência de fraudes com linhas a eles associadas indevidamente.

A exigência vale para os moradores de cidades dos seguintes estados: Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Roraima, Sergipe e São Paulo.

Nas duas etapas anteriores, realizadas de 2 de setembro a 15 de outubro, foram bloqueadas 45 mil de um total de 35 milhões de linhas em 11 Estados.  Atualmente, o serviço contabiliza 122,3 milhões de linhas. Essa é uma das soluções apresentadas pelas operadoras Algar, Claro, Oi, Sercomtel, Tim e Vivo, no Plano de Ação Setorial aprovado pela Anatel no âmbito do Projeto Cadastro Pré-Pago.

Caberá a seis operadoras notificar os usuários de pacotes pré-pagos com pendências cadastrais por canais como mensagem de texto, ligações ou pop ups em sites. As operadoras também disponibilizaram canais de atendimento para fornecer mais informações sobre o recadastramento, como páginas específicas nos sites.

Anterior Reestruturação na Espanha faz Grupo Telefónica ter prejuízo no 3º trimestre
Próximos Anatel e UIT fecham acordo para medir interferências em satélites

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *