Unidade da Ericsson no Brasil deixa de ser uma subsidiária


A Ericsson anunciou hoje uma reorganização em sua estrutura mundial e a indicação de Sergio Quiroga da Cunha para presidir a Ericsson para toda América Latina. De acordo com o comunicado da empresa, a partir de 1 de abril, todas as unidades da Ericsson no mundo passarão a atuar de forma regionalizada. A medida altera …

A Ericsson anunciou hoje uma reorganização em sua estrutura mundial e a indicação de Sergio Quiroga da Cunha para presidir a Ericsson para toda América Latina. De acordo com o comunicado da empresa, a partir de 1 de abril, todas as unidades da Ericsson no mundo passarão a atuar de forma regionalizada. A medida altera de 23 unidades de mercado para 10 regiões no mundo.

Com a reorganização, o Brasil deixa de ser uma subsidiária e passa a ser visto como parte do mercado América Latina. A atual presidente da Ericsson Brasil, Fatima Raimondi, que iniciou carreira na companhia em 1986 e está no comando da subsidiária desde outubro de 2008, deixa o cargo em abril. Não há informações se a executiva deixará a companhia ou se assumirá um outro cargo. Antes de ocupar a presidência da Ericsson no país, Fatima Raimondi trabalhou em unidades da companhia na Suécia e em Portugal.

Quiroga está na Ericsson desde 1990 e trabalhou em várias áreas de negócio da empresa no Brasil. Em 2006 passou a ter atuação regional e, desde 2008 chefia o mercado América do Sul, a exceção de Brasil e Guiana. Ocupa a função, atualmente, a partir do Chile. Com a incorporação da subsidiária brasileira ao mercado América Latina, Quiroga retorna para São Paulo, de onde comandará os negócios da fabricante nos países da região.

A Ericsson é uma das mais antigas fabricantes de equipamentos e prestadora de serviços de telecomunicações instalada no Brasil. A empresa sueca está há 86 anos no país e possui instalações completas com fábrica, centro de pesquisa e desenvolvimento e centro de treinamento. Além do Brasil, a empresa só tem essa infraestrutura na Suécia e na China. A unidade brasileira também é a responsável pela exportação de equipamentos para os mercados da América Latina e África.

O centro de desenvolvimento e competências, em São José dos Campos, SP, é o único da empresa na América Latina e desenvolve soluções para telecomunicações para toda a região.

Com a reorganização, a Ericsson espera incrementar as vendas atuais e em novas áreas, aumentar a velocidade e flexibilidade da empresa e simplificar a forma de trabalhar com clientes. "Ao reduzir o número de unidades de mercado e criar essas 10 regiões, a Ericsson aumenta o foco no cliente e fortalece a atuação regional. As regiões serão fundamentais na condução de flexibilidade, velocidade e inovação no nosso negócio”, diz Hans Vestbeg, presidente e CEO da Ericsson.

As dez regiões, e seus respectivos presidentes, são: América do Norte, Angel Ruiz (já ocupa essa posição); América Latina, Sergio Quiroga da Cunha; Mediterrâneo, Nunzio Mirtillo (atualmente vice-presidente de Operações da Ericsson Sudeste da Europa); Europa Ocidental & Central, Anders Runevad (atual vice-presidente Mundial de Vendas da Sony Ericsson); Norte da Europa e Ásia Central, Mats Granryd (atual presidente da Ericsson Norte da Europa Ocidental); Oriente Médio, Anders Lindblad (atual presidente da Ericsson Turquia e Israel); África Sub-Saaha, Lars Linden (já ocupa essa posição); Índia, Gowton Achaibar (atual presidente da Ericsson Índia e Sri Lanka); Sudeste da Ásia e Oceania, Arun Bansal (atual presidente da Ericsson Indonésia); China e Norte da Ásia Oriental, Mats Olsson H (atualmente presidente da Ericsson China).

Anterior PT adquire a brasileira GPTI e fortalece posição em contact center
Próximos Claro lança pacotes para longa distância