União Europeia acusa governo chinês de subsidiar ilegalmente Huawei e ZTE, que tem forte presença no Brasil.


 

A União Europeia encontrou evidências de que o governo chinês fornece subsídios ilegais para as suas duas maiores fabricantes de equipamentos de telecomunicações – a Huawei e ZTE – auxiliando as duas empresas a derrubarem o preço de qualquer proposta de fábricas rivais nos mercados internacionais, informou o jornal Financial Times.

 

 

De acordo com o jornal, uma reunião fechada travada na semana passada revelou que a Comunidade Europeia tem evidências muito sólidas para suportar essas acusações. Deverá ser aberto um processo formal contra os dois fabricantes, que deverá levar as empresas chinesas a receberem “tarifas punitivas” nos produtos comercializados para os mercados europeus.

 

A investigação não foi motivada por qualquer de seus rivais europeus – Ericsson, Alcatel-Lucent e Nokia Siemens Network- que estão presentes no grande mercado chinês e temem qualquer medida de retaliação do governo sino, mas foi aberta pela própria autoridade governamental da Europa.

Brasil

No Brasil, a Huawei que vendeu seu primeiro equipamento para a empresa regional CTBC na década de 90, e hoje é um dos principais fornecedores – tanto da infraestrutura de rede como de acesso – das grandes operadoras de telecomunicações, como Oi, Tim, Claro. A empresa fabrica ou importa toda a “sopa de letrinhas” da cadeia de telecomunicações móveis e fixas, como a linha de produtos GSM/UMTS/HSPA, LTE; WimaxMóvel; ou soluções de backbones DWDM, GMPLS .Iniciou há pouco tempo o ingresso também no mercado de terminais celulares e fixos.

 

A ZTE, com atuação mais recente no Brasil, também atua em todos os segmentos da cadeia de telecom, mas tem uma participação menor nas compras das operadoras que estão no país. ( Da redação).

Anterior Nova lei do Cade entra em vigor no dia 29 de maio
Próximos Anatel agiliza licença do SeAC (TV paga)