UE anuncia investimentos de € 18 milhões na LTE


A partir de 1 de janeiro de 2010, a União Europeia vai investir € 18 milhões de euros adicionais em pesquisa para apoiar a tecnologia LTE, de 4ª geração (4G) de redes móveis. A Comissão Europeia anunciou hoje sua decisão de financiar o desenvolvimento da tecnologia e espera obter, com a LTE, o mesmo sucesso …

A partir de 1 de janeiro de 2010, a União Europeia vai investir € 18 milhões de euros adicionais em pesquisa para apoiar a tecnologia LTE, de 4ª geração (4G) de redes móveis. A Comissão Europeia anunciou hoje sua decisão de financiar o desenvolvimento da tecnologia e espera obter, com a LTE, o mesmo sucesso com o GSM, hoje utilizado por 80% das redes móveis de todo o mundo. "As tecnologias LTE vão transformar os celulares em potentes computadores móveis. Milhões de novos usuários obterão acesso à Internet móvel hiper-rápida nos seus aparelhos portáteis, onde quer que se encontrem, o que criará oportunidades extraordinárias e um âmbito vastíssimo de crescimento para a economia digital", declarou Viviane Reding, comissária da UE para as telecomunicações e os meios de comunicação.

As estimativas são de que a LTE permita à Internet móvel velocidades até 100 megabits por segundo, dez vezes superiores às das redes móveis da 3ª geração. Na Europa, atualmente, a tecnologia está sendo testada por operadores de redes móveis da Finlândia, da Alemanha, da Noruega, de Espanha, da Suécia e do Reino Unido. Espera-se para o primeiro semestre de 2010 a sua comercialização na Suécia e na Noruega.

Segundo a Comissão Europeia, os principais operadores e fabricantes do setor dos serviços móveis, como  Orange, TeliaSonera, T-Mobile, AT&T, NTT-DoCoMo, Verizon, Alcatel-Lucent, Ericsson, Huawei e Nokia Siemens Networks, comprometeram-se a utilizar a norma LTE. Até 2013, prevê-se que operadores do mundo inteiro invistam cerca de € 6 bilhões em equipamento LTE, de acordo com analistas do mercado. (Da redação)

Anterior Huawei inaugura laboratório para testar LTE
Próximos Explosão de iPhone é caso isolado, diz Apple.