UBS nega compra de ações da PT


O banco suíço UBS informou hoje que não comprou ações da PT, vendidas pela Telefónica, conforme anunciado ontem. “Sobre a venda da Telefónica, e para evitar quaisquer dúvidas, o UBS deseja confirmar que não foi comprador na venda da posição da Portugal Telecom”, esclarece o banco suíço num comunicado citado pela Reuters. O UBS salienta …

O banco suíço UBS informou hoje que não comprou ações da PT, vendidas pela Telefónica, conforme anunciado ontem. “Sobre a venda da Telefónica, e para evitar quaisquer dúvidas, o UBS deseja confirmar que não foi comprador na venda da posição da Portugal Telecom”, esclarece o banco suíço num comunicado citado pela Reuters.

O UBS salienta ainda que não atuou como intermediário da Telefónica na venda dos 8% da PT e que “a Telefónica não lhe deu quaisquer instruções em relação aos direitos de voto decorrentes da sua posição na operadora portuguesa”, referindo-se à assembleia geral de acionistas, marcada para 30 de junho, que vai decidir se a PT vende ou não sua participação na Vivo para a Telefónica.

Em comunicado ontem, o UBS informava que sua participação na PT havia passado para 5,84% do capital da empresa. No entanto, o banco suíço teria comprado 26,77 milhões de títulos da PT no dia 17 de maio, fora de mercado regulamentado.

Por sua vez, a Telefónica garantiu hoje à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) que não tem acordo para recompra das ações da PT e que desconhece quem foram os seus compradores. Ontem, o órgão regulador pediu esclarecimentos à Telefónica, após ter sido noticiado que a empresa tinha vendido 8% da operadora portuguesa. Em resposta à CMVM, a Telefónica diz que “não tem qualquer acordo”, nem qualquer direito adicional para a recompra das ações da PT e confirma que detém agora 2,02% da operadora portuguesa, após ter alienado 7,98% em cinco blocos (entre 17 e 21 de Junho). (Da redação, com agências internacionais)

Anterior Novo critério para áreas locais do STFC pode beneficiar 63 milhões de pessoas
Próximos Lucros da Oracle sobem 25%